Política

Bancada ruralista quer ‘aproveitar’ indefinição no STF para acelerar o marco temporal no Senado

O ministro André Mendonça pediu vista e adiou por até 90 dias o prosseguimento da análise no Supremo

O ministro André Mendonça, do Supremo Tribunal Federal. Foto: Carlos Moura/SCO/STF
Apoie Siga-nos no

Senadores ligados à Frente Parlamentar da Agropecuária já se mobilizam em busca de assinaturas para garantir a tramitação urgente do projeto em defesa da tese do marco temporal para a demarcação de territórios no País.

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, proferiu nesta quarta-feira 7 o segundo voto contra o marco temporal, mas André Mendonça pediu vista e adiou por até 90 dias o prosseguimento da análise.

Em maio, a Câmara dos Deputados se antecipou ao julgamento do Supremo e aprovou o marco temporal, mas a matéria ainda precisa ser discutida e avalizada pelo Senado. Agora, a bancada ruralista quer aprovar um requerimento de urgência para o projeto de lei, a fim de que ele não passe por comissões temáticas e seja levado diretamente ao plenário.

Esse requerimento, porém, teria de ser pautado pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), que já rechaçou publicamente a tramitação acelerada.

O pedido de urgência foi protocolado na terça-feira 6 e é assinado originalmente por Ciro Nogueira (PP-PI). Posteriormente, outros senadores endossaram a proposta.

Segundo o vice-presidente da FPA, senador Zequinha Marinho (Podemos-PA), “é fundamental que o Senado possa se posicionar, até mesmo para transformar em lei algo primordial para se ter segurança jurídica e paz entre povos indígenas e produtores rurais”.

O movimento em defesa dos direitos dos povos indígenas se opõe frontalmente ao marco temporal. A Articulação dos Povos Indígenas do Brasil, a Apib, sustenta que a adoção da tese limitaria o acesso dos indígenas ao seu direito originário sobre suas terras. Diz, ainda, haver casos de povos que foram expulsos delas algumas décadas antes da entrada em vigor da Constituição.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo