Auditor que fez relatório falso é convocado pela CPI e será afastado do TCU

Nas redes sociais, Alexandre Marques se posiciona contra a imprensa e já chegou a defender a eficácia da ivermectina contra a Covid-19

Foto: Reprodução Facebook

Foto: Reprodução Facebook

Política

O auditor Alexandre Figueiredo Costa Silva Marques deverá ser afastado de suas funções no Tribunal de Contas da União após ter produzido um relatório com dados não comprovados sobre as mortes por Covid-19 no Brasil. A informação é do site Poder360. Nesta quarta-feira 9, a CPI da Covid aprovou a convocação do auditor.

O suposto documento feito por Marques, que foi usado pelo presidente Jair Bolsonaro na segunda-feira 7, dizia que 50% das mortes registradas por Covid-19 no Brasil, na verdade, tiveram outras causas.

No mesmo dia, o TCU desmentiu o presidente sobre os números citados. “O TCU esclarece que não há informações em relatórios do tribunal que apontem que ‘em torno de 50% dos óbitos por Covid no ano passado não foram por Covid’, conforme afirmação do Presidente Jair Bolsonaro divulgada hoje”, diz o texto.

Na terça-feira 8, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), membro da CPI da Covid, afirmou que é urgente a necessidade de aprovar a quebra dos sigilos do auditor.

“Um auditor do TCU criminosamente interveio no sistema do tribunal e adulterou dados. Este é um sigilo que inevitavelmente terá de ser quebrado, logo, de imediato, por esta CPI”, disse Randolfe em entrevista coletiva.

“O que ocorreu foi gravíssimo. O presidente espalhou uma notícia mentirosa sobre o TCU e, em seguida, foi desmentido pelo próprio TCU. Foi algo grave. É importante apurarmos por que esse auditor fez isso. Isso tem relação direta com a CPI. A quem interessa subestimar ou adulterar de forma triste e lamentável [os dados], em prejuízo à memória das 470 mil vítimas da Covid-19?”, acrescentou.

Nas redes sociais, Alexandre Marques se posiciona contra a imprensa e já chegou a defender a eficácia da ivermectina contra a Covid-19.

Em uma página criada no Facebook, de acordo com o site Metrópoles, o auditor chegou a afirmar que a média móvel de mortes por Covid no País caiu, mas voltou a subir no fim de outubro, após o início da campanha eleitoral municipal.

“Aglomerações, corpo a corpo, candidato do PSol fazendo reuniões mesmo com Covid-19, tudo isso contribuiu não só para aumentar a contaminação, mas também para passar a imagem ao povo de que estava tudo normal”, escreveu ele, numa crítica ao psolista Guilherme Boulos, então candidato a prefeito de São Paulo.

“Agora vamos falar de boas notícias, porque isso a mídia não divulga. Há três dias o número de óbitos no Brasil está menor, se comparado com o mesmo dia da semana anterior”, postou em referência à imprensa.

“Falar que o Brasil é um mau exemplo é ridículo. A imprensa deveria ressaltar o esforço que gestores do SUS e profissionais de saúde estão fazendo. Podemos não ser perfeitos, mas temos que ter orgulho do nossos sistema de saúde”, escreveu Alexandre em 6 de maio de 2020.

O afastamento ainda não foi confirmado pelo TCU. Procurado por CartaCapital, o tribunal não retornou.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem