Áudios mostram que procurador da Lava Jato pagou por outdoor ilegal

O procurador confessou que colocou o outdoor elogiando a operação, mas atitude foi abafada por Dallagnol e integrantes da Lava Jato

Áudios mostram que procurador da Lava Jato pagou por outdoor ilegal

Justiça,Política

O site The Intercept Brasil divulgou, na manhã desta segunda-feira 26, mais um vazamento da operação Lava Jato. Dessa vez, a reportagem revela áudios do Telegram que provam que o procurador do MPF Diogo Castor de Barros pagou pela colocação de um outdoor de apoio à operação em frente ao aeroporto de Curitiba, em março deste ano. A atitude do integrante da Lava Jato é proibida.

 

Na época, a Lava Jato negou publicamente que a confecção da peça tivesse sido encomendada por membros da força-tarefa, mas um coletivo de advogados entrou com uma representação no Conselho Nacional do Ministério Público exigindo investigação sobre sua autoria e financiamento, alegando que a propaganda feria o princípio da impessoalidade.

Barros pediu afastamento da Lava Jato em abril deste ano alegando estar com problemas psiquiátricos. Logo após sair, o diálogo obtido pelo Intercept mostra que o ex-procurador confessou o que tinha feito para o corregedor-geral do Ministério Público Federal.

Os procuradores atuaram para abafar o caso e tentar salvar o colega de profissão. O lobby foi bem sucedido e o CNMP arquivou um pedido de investigação alegando que não havia indícios da participação de membros do MPF no aluguel do outdoor.

Em conversas reservadas no aplicativo Telegram, Dallagnol e outros procuradores da força-tarefa também recomendaram “sigilo total” aos colegas, para o caso não ganhar repercussão na imprensa.

No dia 07 de abril de 2019, em um grupo que reúne quatro procuradores – Deltan Dallagnol, Orlando Martello, Paulo Galvão e Julio Noronha – Martello classificou o ato de Castor de Mattos como uma “traição”.

“Falo pra nós aqui, tá? Ele traiu o grupo ao fazer uma coisa sem comunicar a todos”, disse Orlando Martello, em áudio de Telegram revelado pelo The Intercept Brasil

O procurador, no entanto, ressaltou que o colega poderia voltar para a Lava Jato, no futuro, se o caso não se tornasse um escândalo público.

Em outra gravação, o procurador Paulo Galvão diz que Castor de Mattos prestou as informações “espontaneamente” à corregedoria. Também enfatizava aos colegas que o motivo oficial do pedido de afastamento era o tratamento de saúde.

O procurador Julio Noronha, também em uma fala enviada no grupo, pondera que, se a força-tarefa justificasse a saída de Castor de Mattos apenas pela questão de saúde, estaria sendo “conivente além do necessário com a situação”.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem