Política

Ato de Bolsonaro no Rio de Janeiro reuniu 32 mil pessoas, calcula grupo de pesquisa da USP

O público da orla carioca equivale a menos da metade da concentração dos manifestantes em São Paulo, quando estiveram presentes 185 mil pessoas

Foto: Mauro Pimentel/AFP
Apoie Siga-nos no

A manifestação encabeçada pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) em Copacabana, no Rio de Janeiro, neste domingo 21, reuniu 32 mil pessoas em seu pico, às 12h. 

A estimativa de público partiu do Monitor do Debate Político, da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da USP, coordenado por Pablo Ortellado e Márcio Moretto.

Às 12h, a contagem do grupo registrou 32.750 pessoas. Se comparado ao ato em São Paulo, Bolsonaro conseguiu menos da metade do público. Na capital paulista, em fevereiro, a estimativa foi de 185 mil participantes.

Os especialistas chegaram a esses números por meio de fotos aéreas e com o auxílio de um software.

A equipe tirou 35 fotos a cada rodada, entre as 10h e as 12h30, nove das quais foram selecionadas de forma a cobrir a extensão do ato, sem sobreposição. 

Na sequência, cada foto foi repartida em oito pedaços – em cada parte, o Monitor aplicou um método chamado Point to Point Network, para identificar cabeças e estimar a quantidade de pessoas.

Na contagem de público, o erro percentual absoluto médio é de 12% para mais ou para menos nas imagens aéreas com mais de 500 indivíduos.

A Secretaria de Segurança Pública do Rio afirmou que não fez estimativa de público presente no ato.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo