Política

Após reunião com Lula, Lira diz que é possível encontrar ‘meio termo’ para taxação de importações de US$ 50

Taxar essas compras é uma demanda do varejo brasileiro e Lira tem tentado costurar um acordo com o governo

O presidente da Câmara, Arthur Lira, na votação do PL do Perse, em 23 de abril de 2024. Foto: Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados
Apoie Siga-nos no

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), defendeu que é possível um “meio termo” na proposta que acaba com a isenção de compras internacionais de até US$ 50.

Lira e o presidente Lula (PT) se reuniram nesta terça-feira 28 no Palácio do Planalto. O fim da isenção consta do relatório do projeto sobre o Mover, programa nacional de Mobilidade Verde e Inovação.

“Estive com Lula tratando desse assunto hoje e ele está conversando com seus ministros para ter um posicionamento, para ter um meio termo de gradação tanto de alíquota quanto de prazo para que esse setor da indústria e do comércio possam ter um mínimo de condições de competir e manter os empregos. Fazer uma narrativa menor não ajuda”, disse Lira.

Taxar essas compras é uma demanda do varejo brasileiro e atingiria diretamente plataformas de e-commerce como Shein e AliExpress.

Segundo Lira, o Mover deve ser votado ainda nesta terça-feira, já que o prazo para a medida provisória não perder a validade se encerra na próxima sexta.

A proposta deve ser discutida pelos deputados logo após a sessão do Congresso Nacional. O texto ainda precisa ser analisado pelos senadores.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo