Após decisão judicial, brigadistas de Alter do Chão saem da prisão

Os quatro brigadistas tinham sido presos na terça-feira 26, e eram apontados como responsáveis pelos incêndios na região de Alter do Chão

João Victor Romano, um dos brigadistas presos em Santarém (PA) (Foto: Reprodução)

João Victor Romano, um dos brigadistas presos em Santarém (PA) (Foto: Reprodução)

Política

Os quatro brigadistas da organização Brigada de Alter do Chão, que tinham sido presos após serem acusados de atearem fogo na floresta, tiveram prisão preventiva revogada pela Justiça do Pará. O alvará de soltura estava sendo cumprido no fim da tarde desta quinta-feira 28 no Centro de Triagem Masculina de Santarém.

Daniel Gutierrez Govino, João Victor Pereira Romano, Gustavo de Almeida Fernandes e Marcelo Aron Cwerner foram presos nas respectivas residências na terça-feira 26. Eles passaram pela audiência de custódia na tarde da quarta-feira 27, mas tiveram a liberdade negada pelo juiz Alexandre Rizzi – que, hoje, viria a liberá-los.

Rizzi argumenta que, por conta da apreensão de diversos documentos, HDs e computadores dos quatro voluntários e de demais ONGs citadas no inquérito, o tempo de análise do material manteria os brigadistas na cadeia sem necessidade.

Nesta quinta-feira, o governador do Pará, Helder Barbalho, pediu para que se trocasse o responsável pelo inquérito que prendeu os brigadistas em Santarém.

O novo responsável pelo caso, agora, é o delegado Waldir Freire, da Delegacia do Meio Ambiente. “Ninguém está acima da lei, mas ninguém pode ser vítima de pré-julgamento ou ter seu direito de defesa cerceado”, diz Barbalho no vídeo.

O Ministério Público Federal também já havia emitido nota à respeito. O órgão afirma que já havia uma investigação em curso desde setembro na Polícia Federal, e que “nenhum elemento apontava para a participação de brigadistas ou organizações da sociedade civil”.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

É repórter do site de CartaCapital.

Compartilhar postagem