Ancine corta apoio a dois filmes sobre LGBTs; produtores acusam censura

Discussões sobre homossexualidade e negritude são tema dos filmes 'Greta' e 'Negrum3'

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Política

A Agência Nacional do Cinema (Ancine) suspendeu o termo de permissão que dava aos produtores dos filmes “Greta” e “Negrum3” uma ajuda de custo de 4,6 mil reais, para cada, com o objetivo de que os filmes participassem do Festival Internacional de Cinema Queer, em Lisboa.

Três semanas atrás, a Ancine havia aprovado a “concessão de apoio financeiro” para os filmes. Os longas tratam sobre homossexualidade e negritude. “Greta” é estrelado por Marco Nanini e fala sobre um enfermeiro homossexual que é fã da atriz Greta Garbo. Já os produtores de “Negrum3” definem a trama como “um ensaio sobre negritude, viadagem e aspirações espaciais dos filhos da diáspora”.

Em nota, a agência afirmou que todos os apoios previstos no Programa de Apoio a Festivais Internacionais estão sendo reavaliados, em razão do contingenciamento orçamentário determinado pelo governo.

“A divulgação de projetos contemplados no Programa não representa garantia de que eles receberão os recursos, uma vez que o próprio termo de compromisso firmando o apoio condiciona o aporte à disponibilidade orçamentária. O critério do corte foi exclusivamente temporal: foram mantidos os apoios a filmes contemplados em festivais já realizados ou em curso”, escreveu a agência.

Procurada, a produção do “Negrum3” afirmou que já está com as passagens compradas para o festival, mas esperava que o financiamento cobrisse parte dos custos da viagem. A saída agora é pedir colaborações de internautas em uma vaquinha.

“A justificativa oficial é a falta de disponibilidade orçamentária, mas, na mesma decisão, a Ancine diz que irá continuar apoiando a participação de filmes em outros festivais. Levando em conta que Negrum3 é um filme que fala da celebração de bichas pretas e a temática do festival do qual ele irá participar, fica claro o viés político de censura da decisão tomada pela Diretoria da Ancine”, disse Victor Casé, da Reptilla Produções.

Na semana passada, os produtores do filme “Marighella” também anunciaram complicações com a Ancine. Dirigido por Wagner Moura, o longa estrearia em 20 de novembro nas telas brasileiras, porém, decisões da agência fizeram a data ser adiada.

A Ancine tem passado por mudanças, desde que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) expressou insatisfação com as produções apoiadas pela agência. Em 30 de agosto, houve troca na cúpula. Com o afastamento de Christian de Castro Oliveira da presidência do órgão, quem comanda a diretoria agora é o advogado Alex Braga.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem