Política

‘Ambos votaram com o governo’, diz Mourão sobre Lira e Baleia

Vice-presidente disse que governo precisa ‘trabalhar forte’ neste ano para avançar com as pautas no Congresso

O vice-presidente da República, general Hamilton Mourão. Foto: Romério Cunha/VPR
O vice-presidente da República, general Hamilton Mourão. Foto: Romério Cunha/VPR

O vice-presidente Hamilton Mourão afirmou nesta segunda-feira 11 que o governo precisa “trabalhar forte” neste ano para avançar com as pautas no Congresso, além de manter uma “boa conexão” com os parlamentares eleitos para as mesas do Congresso em fevereiro. Na Câmara, o vice-presidente destacou que os principais candidatos, Baleia Rossi (MDB-SP) e Arthur Lira (PP-AL), votaram alinhados com o governo na maioria dos casos.

 

“Eu acho que, em qualquer hipótese (de eleição), o governo tem que ter uma boa conexão, ligação com Câmara e com o Senado no sentido da gente conseguir aprovar aí aquilo que é necessário para o País poder avançar”, afirmou para jornalista nesta manhã. Ele citou que o governo ainda precisa avançar na agenda de reformas e de propostas de emenda à constituição (PEC) que estão paradas, como a Emergencial.

“Nós temos não só aquelas PECs que estão ali desde o começo do ano passado, mas a questão das reformas. Então, nós precisamos trabalhar forte este ano”, ressaltou. Na Câmara, Mourão comentou que a disputa será “apertada” e sugeriu aguardar o desfecho.

O Planalto apoia a eleição do líder do Centrão, Arthur Lira, que rivaliza com Baleia Rossi, candidato do grupo do atual presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ). “Na minha visão, os dois que estão candidatos ali, se você for analisar, mais de 90% dos casos votaram com o governo, os dois”, disse.

Mourão retornou hoje ao expediente normal de trabalho após um período de isolamento depois de testar positivo para a Covid-19 no dia 27 de dezembro. Além da aprovação de pautas do governo que estão pendentes no Congresso, Mourão afirmou que espera um trabalho “mais efetivo” do Conselho Nacional da Amazônia, presidido por ele.

A atuação do colegiado esteve em evidência ao longo de boa parte do ano passado, após os registros recordes de desmatamento e queimadas na região amazônica, em especial no final de 2020. “Espero que a gente consiga ser mais efetivo no nosso trabalho”, declarou Mourão.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!