Política

Alvo da PF, Do Val deu versões desencontradas sobre suposta tentativa de golpe; relembre

Na primeira versão, apresentada durante uma live nas redes sociais, o senador disse ter sido coagido por Bolsonaro a gravar Moraes

Foto: Pedro França/Agência Senado
Apoie Siga-nos no

Alvo de busca e apreensão da Polícia Federal, o senador Marcos do Val (Podemos-ES) ficou conhecido por apresentar versões desencontradas sobre uma tentativa de golpe para afastar o ministro Alexandre de Moraes do comando de investigações que miram atos antidemocráticos.

Os mandados são cumpridos em três endereços ligados a Do Val. Ele tem direito a foro por prerrogativa de função e, por isso, a operação teve de ser autorizada pelo Supremo Tribunal Federal.

Em apenas dois dias, o parlamentar fabricou ao menos cinco narrativas diferentes sobre o plano elaborado durante reunião no Palácio da Alvorada para impedir a posse de Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Na primeira versão, apresentada durante uma live nas redes sociais, o senador disse ter sido coagido por Bolsonaro a gravar Moraes para obter dele declaração comprometedora que servisse de argumento para anular as eleições presidenciais de 2022.

Depois, voltou atrás e afirmou que o ex-presidente não teria arquitetado o tal plano, e que a ideia partiu do ex-deputado Daniel Silveira (PTB-RJ). Uma terceira versão foi apresentada em seguida, em entrevista à GloboNews, na qual ele diz que só foi se reunir com Bolsonaro depois de consultar Moraes – segundo ele, o magistrado o teria aconselhado a ir à reunião “porque todas as informações são importantes”.

A quarta versão foi apresentada em depoimento à PF, que abriu inquérito para investigar as ‘denúncias’ por ordem do Supremo Tribunal Federal. O senador é investigado pelos crimes de falso testemunho e denunciação caluniosa. Ele havia dito que renunciaria o cargo, mas também recuou na promessa.

Aos investigadores, o parlamentar alegou que só acusou Bolsonaro no primeiro relato porque estava com “raiva de ataques sofridos” nas redes sociais pelo voto a favor da reeleição de Rodrigo Pacheco (PSD) à presidência do Senado.

No dia 30 de março, Do Val admitiu que forjou as narrativas para “chamar a atenção e tumultuar a narrativa”. Disse ter usado técnicas de “contra inteligência”, dando declarações antagônicas, e afirmou que mentiu ao declarar que renunciaria ao cargo apenas para chamar atenção.

Pouco depois de a ação da PF ser deflagrada nesta quinta-feira, os perfis de Marcos do Val nas redes sociais foram retirados do ar. No Twitter, os usuários leem  a seguinte mensagem: “A conta foi retida no Brasil em resposta a uma demanda legal”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo