Política

Além de Lira, confira os deputados eleitos para a Mesa Diretora da Câmara

A distribuição ocorreu conforme acordo entre os partidos que compõem o bloco de apoio ao parlamentar do PP

O plenário da Câmara dos Deputados na noite da reeleição de Arthur Lira. Foto: Sergio Lima/AFP
Apoie Siga-nos no

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), reeleito para um novo mandato de dois anos, anunciou nesta quarta-feira 1º os eleitos para os demais cargos da Mesa Diretora.

A distribuição ocorreu conforme acordo entre os partidos que compõem o bloco de apoio a Lira.

Confira a relação:

  • 1ª Vice-Presidência: Marcos Pereira (Republicanos-SP), com 458 votos. 51 votaram em branco;
  • 1ª Secretaria: Luciano Bivar (União-PE), com 411 votos. 98 votaram em branco;
  • 2ª Secretaria: Maria do Rosário (PT-RS), com 371 votos. 138 votaram em branco;
  • 3ª Secretaria: Júlio Cesar (PSD-PI), com 467 votos. 42 votaram em branco;
  • 4ª Secretaria: Lucio Mosquini (MDB-RO), com 447 votos. 62 votaram em branco.

Para a 2ª Vice-Presidência, houve disputa entre Sóstenes Cavalcante (PL-RJ), eleito com 385 votos, e Luciano Vieira (PL-RJ), que obteve 94. Houve 30 votos em branco.

Na suplência, ficaram os deputados:

  • Gilberto Nascimento (PSC-SP), com 420 votos;
  • Pompeo de Mattos (PDT-RS), com 398 votos;
  • Beto Pereira (PSDB-MS), com 389 votos; e
  • André Ferreira (PL-PE), com 382 votos.

Houve 447 votos em branco para suplentes.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo