Cultura

“Admiro profundamente este homem”, diz Oliver Stone na exibição do documentário “Lula” em Cannes

Os ingressos esgotaram assim que a bilheteria abriu para a exibição “Lula”, de Oliver Stone e Rob Wilson, neste domingo 19 no Festival de Cannes

O cineasta Oliver Stone durante exibição do documentário Lula, em Cannes Foto: LOIC VENANCE / AFP
Apoie Siga-nos no

Os ingressos esgotaram assim que a bilheteria abriu para a exibição de “Lula”, de Oliver Stone e Rob Wilson, neste domingo (19) no Festival de Cannes, fora da competição oficial. Muita gente fez fila na porta na esperança de haver desistências de última hora e de conseguir entrar.

A sessão em uma das salas do Palácio dos Festivais estava lotada e a equipe do filme foi calorosamente aplaudida. O veterano cineasta americano disse, antes da exibição, que o documentário é “sobre uma pessoa especial no mundo de hoje, um líder único”. Oliver Stone lembrou alguns fatos marcantes da vida o presidente brasileiro e acrescentou: “admiro profundamente este homem”.

Ele afirmou ainda que sabe “que muitas pessoas da elite detestam o Lula” e pediu que as pessoas da plateia “não o detestem”. O diretor-geral do Festival de Cannes, Thierry Frémeaux, tentou tranquilizar o cineasta afirmando que o público, formado por muitos brasileiros, iria “amá-lo e comprendê-lo”. Por fim, brincou: “quem não gosta do Lula que levante o braço!”, provocando risos.

“Lula” foi exibido na mostra “Sessões Epeciais” da seleção oficial do Festival. O filme retrata a vida do presidente brasileiro, focando na sua prisão, entre 2018 e 2019, sua eleição em 2022 e a volta ao poder “triunfal”.

Entrevista inédita com Lula

Os diretores tiveram um acesso privilegiado para entrevistas com o presidente brasileiro e seus conselheiros. A principal entrevista, feita por Oliver Stone com o então candidato à reeleição pelo PT, aconteceu durante a campanha eleitoral de 2022. Ele também conversou com Glenn Greenwald, fundador do site The Intercept, para revelar os meandros da Operação “Lava Jato” que levou Lula à prisão.

O longa ressalta a importância da “Vaza Jato”, divulgada por Greenwald, para a libertação do líder do PT. O filme denuncia o chamado “lawfare”, ou instrumentalização política da justiça, e a implicação dos Estados Unidos na operação Lava Jato.

Além das entrevistas inéditas, o documentário, clássico, é construído com imagens de arquivo, potencializadas por uma trilha sonora instrumental. Para o público brasileiro, “Lula” não traz muitas novidades – a mensagem do filme visa um público internacional.

No final da exibição, bastante aplaudida, o codiretor Rob Wilson disse esperar que o público “perceba que é possível que as democracias no mundo tenham um político como o Lula, que cumpre, uma vez no poder, as promessas que faz”.

Stone fez outros filmes com temáticas latino-americanas, como a ficção “Salvador”, em 1986, com James Woods. Durante sua carreira, o diretor também realizou documentários sobre personalidades do continente, como os três projetos sobre Fidel Castro, lançados entre 2003 e 2012, ou ainda “My Friend Hugo”, sobre o ex-presidente venezuelano Hugo Chávez. Várias cenas desses filmes foram reutilizadas em “Lula”, que concorre ao prêmio “Olho de Ouro” de melhor documentário selecionado no Festival de Cannes.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo