Política

A repercussão da operação contra Bolsonaro e aliados nas redes sociais, segundo a Quaest

O assunto monopolizou as atenções na internet ao longo desta quinta-feira 8

O ex-presidente Jair Bolsonaro, nos Estados Unidos. Foto: CHANDAN KHANNA/AFP
Apoie Siga-nos no

A batida da Polícia Federal em endereços de Jair Bolsonaro (PL) e de aliados do ex-presidente na investigação sobre a trama golpista de 2022 dominou as redes sociais nesta quinta-feira 8, segundo um monitoramento realizado pela Quaest.

Até as 18h, houve 607 mil menções sobre a Operação Tempus Veritati (Hora da Verdade, em latim), de acordo com o instituto. Cerca de 58% das citações foram críticas a Bolsonaro, mas houve espaço para os alvos receberem a solidariedade de apoiadores.

O alcance estimado pelo levantamento é de 56 milhões de internautas, tornando a operação o segundo evento político mais comentado nos últimos 12 meses. O primeiro está relacionado ao atos golpistas de 8 de Janeiro de 2023, com alcance diário de 80 milhões de pessoas entre as 14h e as 18h30 daquele dia.

Ao todo, agentes da PF cumpriram 33 mandados de busca e apreensão e quatro mandados de prisão preventiva. Entre os alvos também estavam ex-ministros do governo Bolsonaro, como os generais Augusto Heleno e Walter Braga Netto. Leia aqui a decisão que avalizou as diligências.

A polarização dominou a repercussão. “Na esquerda, piadas e deboches de cunho revanchista sobre a investigação a Bolsonaro e aliados militares são elementos que se destacam. Já a direita reúne argumentos que apontam a perseguição política à oposição ao atual governo”, diz Felipe Nunes, diretor da Quaest.

As menções sobre o assunto foram coletadas nas principais redes sociais – X, Instagram, Facebook, Reddit, Tumblr e YouTube -, além de sites de notícias, por API própria da Quaest.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo