Política

A posição do governo Lula sobre a CPI dos Atos Golpistas

O discurso adotado pelo governo é o de que a Comissão Parlamentar de Inquérito é assunto exclusivo para o Congresso

Foto: EVARISTO SA / AFP
Apoie Siga-nos no

Mesmo após o Senado chegar ao número de assinaturas necessárias para abertura de uma CPI que investigue os atos terrotistas promovidos por bolsonaristas em Brasília no domingo 8, o governo do presidente Lula (PT) busca manter, ao menos por ora, certa distância do tema.

Petistas e aliados têm apontado como principais responsáveis pelo vandalismo o ex-secretário de Segurança Pública do Distrito Federal Anderson Torres e o governador afastado Ibaneis Rocha (MDB). Sobram ainda críticas a militares.

“Teve muita gente da Polícia Militar conivente. Teve muita gente das Forças Armadas aqui dentro conivente”, afirmou Lula nesta quinta-feira 12 durante café da manhã com jornalistas. “Eu estou convencido de que a porta do Palácio do Planalto foi aberta para que gente entrasse, porque não tem porta quebrada. Ou seja, significa alguém facilitou a entrada deles aqui”.

Integrantes do governo têm evitado atribuir diretamente ao ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) a responsabilidade jurídica pelas manifestações golpistas. O ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino (PSB), chegou a declarar que recai sobre o ex-capitão a culpa política do ocorrido.

“Houve uma transição conflituosa e não houve reconhecimento do resultado eleitoral”, disse. “É claro que a responsabilidade política é inequívoca”.

Por enquanto, o discurso adotado pelo governo é o de que a Comissão Parlamentar de Inquérito é assunto exclusivo para senadores e deputados e que sua instalação dependerá das investigações.

“É atribuição do Congresso Nacional”, disse a CartaCapital o ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República Marcio Macedo na quarta-feira 11 após as posses das ministras Sonia Guajajara (Povos Originários) e Anielle Franco (Igualdade Racial).

O líder do governo no Senado, Jaques Wagner (PT), que assinou o protocolo para a abertura da CPI na Casa Alta, afirmou durante a semana que a  “assinatura é individual” e que “não tem posição de governo nisso”.

O pedido para criação da comissão foi feito pela senadora Soraya Thronicke (União-MS) e ultrapassou as 27 assinaturas necessárias para a instalação. Uma outra solicitação de abertura foi feita por parlamentares do PT, mas ainda não alcançou o número suficiente de signatários.

CartaCapital apurou que no governo há quem prefira que o protocolo da senadora seja o que siga adiante para que a gestão federal não corra o risco de ser acusada de perseguir Bolsonaro e os seus apoiadores.

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD), confirmou que a discussão sobre a CPI ficará para fevereiro, após a volta do recesso parlamentar. O senador disse que há fato determinado para a instalação e que o pedido é pertinente.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.