Política

À PF, Milton Ribeiro confirma que Bolsonaro lhe pediu para receber pastores, mas nega ‘tratamento privilegiado’

Ex-ministro prestou depoimento na tarde desta quinta-feira em inquérito aberto para apurar suspeitas de corrupção e tráfico de influência no MEC

O então ministro da Educação Milton Ribeiro e o pastor Arilton Moura em 30/11/2021. Foto: Luis Fortes/MEC
Apoie Siga-nos no

O ex-ministro da Educação Milton Ribeiro confirmou, em depoimento à Polícia Federal nesta quinta-feira, que o presidente Jair Bolsonaro lhe pediu para receber um dos pastores acusados de intermediar a liberação de verbas do Ministério da Educação (MEC) a prefeitos em troca da cobrança de propina, segundo relatos feitos por alguns desses políticos.

Ribeiro negou, porém, que houvesse “tratamento privilegiado” aos pastores Gilmar Santos e Arilton Moura dentro do ministério.

O depoimento foi prestado à PF nesta quinta-feira, no inquérito aberto por ordem do Supremo Tribunal Federal (STF) para apurar suspeitas de corrupção e tráfico de influência na gestão de Milton Ribeiro.

Também nesta quinta, a Comissão de Educação do Senado havia convidado o ex-ministro para comparecer e falar sobre o assunto, mas a PF já o havia intimado para depor no inquérito.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.