“A cultura tem que estar de acordo com a maioria, não a minoria”

Bolsonaro comentou a nomeação do novo presidente da Fundação Palmares, indicado pelo secretário Roberto Alvim

Jair Bolsonaro (Foto: Alan Santos/PR)

Jair Bolsonaro (Foto: Alan Santos/PR)

Política

O presidente Jair Bolsonaro declarou nesta sexta-feira que deu carta branca ao secretário especial de Cultura, Roberto Alvim, para fazer nomeações na pasta e que a cultura precisa ser gerida “de acordo com a maioria da população brasileira”. Alvim é responsável pela nomeação do novo presidente da Fundação Palmares, o jornalista Sérgio Nascimento de Camargo, que afirma que o racismo não existe, além de defender outras pautas polêmicas, como o fim do movimento negro.

Questionado sobre as declarações de Camargo, Bolsonaro disse que não entrará em detalhes e emendou: “A cultura nossa tem que estar de acordo com a maioria da população brasileira, não de acordo com a minoria. Ponto final”, disse ao deixar o Palácio da Alvorada.

 

Diversas ações se movem contra a nomeação de Sérgio de Camargo. Na quinta-feira 28 foi publicado na plataforma Avaaz um abaixo-assinado contra a sua permanência no cargo. O PSOL também apresentou uma representação junto à Procuradoria Geral da República (PGR) na quarta-feira 27 pela anulação de sua indicação. No documento, o partido afirma que sua nomeação é “absolutamente antijurídica e contrária ao interesse público, uma vez que sua trajetória, historicamente, é radicalmente contrária aos interesses que a Fundação busca defender”.

Movimentos como Educafro e União de Negros pela Igualdade (Unegro) também afirmaram que entrarão um pedido de anulação da nomeação do novo presidente na procuradoria-geral da República (PGR).

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem