Política

A aprovação e a reprovação ao governo Lula, segundo nova pesquisa PoderData

Para chegar aos resultados, foram realizadas 2.500 entrevistas, por telefone, entre os dias 25 e 27 de maio

Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante Cerimônia de assinatura da Ordem de Serviço das Obras de Macrodrenagem e Reurbanização de Áreas Afetadas por Enchentes, no Centro de Eventos de Araraquara e Região (CEAR). Araraquara - SP. Foto: Ricardo Stuckert / PR
Apoie Siga-nos no

Uma nova rodada da pesquisa do instituto PoderData, ligado ao site Poder360, mostra que a população brasileira está dividida na avaliação sobre o governo Lula (PT). Os dados foram divulgados nesta quarta-feira 29.

Neste momento, o trabalho da atual gestão é aprovado por 45% dos eleitores e reprovado por 47%, um empate técnico, considerando a margem de erro do levantamento. Essa, porém, é a primeira vez que o índice negativo fica numericamente maior que o positivo.

Na comparação com o último levantamento do instituto, as variações também ocorreram dentro da margem de erro, o que se traduz em estabilidade dos índices de popularidade do atual governo. Lula tinha, em março deste ano, 47% de aprovação e 45% de reprovação.

Por camadas sociais, Lula é mais aprovado entre as mulheres, nas duas faixas de idade extremas (mais jovens e mais velhos), entre os menos escolarizados e na população com menor renda. Por região, o Nordeste é quem dá a Lula o melhor percentual. Veja os números:

Avaliação do trabalho

A pesquisa monitorou, também, a avaliação do trabalho do presidente. Nesse caso, Lula é considerado ‘bom ou ótimo’ por apenas 28% dos eleitores. 29% marcam a opção regular e outros 37% se referem ao petista como um presidente ‘ruim ou péssimo’.

Os índices, assim como a aprovação, oscilaram dentro da margem de erro. Em março eram 36% de ‘ruim ou péssimo’, 26% de regular e 31% de ‘bom ou ótimo’.

As quedas, em ambos os casos, são mais acentuadas quando comparadas ao início da atual gestão, em janeiro de 2023. Naquele momento, Lula acumula percentuais de aprovação e avaliação positiva que superavam os 50% e os 40%, respectivamente.

Os dados da pesquisa divulgada hoje foram coletadas em 2.500 entrevistas, por telefone, entre os dias 25 e 27 de maio. O instituto usa o censo como base para que os dados sejam proporcionais aos grupos sociais por gênero, idade e etc. A margem de erro é de 2 pontos percentuais o nível de confiança é de 95%.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo