750 mil foram às ruas em 427 atos, estimam organizadores dos protestos contra Bolsonaro

'Campanha Fora, Bolsonaro' menciona ainda a realização de 17 manifestações no exterior

Manifestação contra Jair Bolsonaro em São Paulo, no dia 19 de junho. Foto: Ricardo Stuckert

Manifestação contra Jair Bolsonaro em São Paulo, no dia 19 de junho. Foto: Ricardo Stuckert

Política

Organizadores do protesto registrado no sábado 19 contra o presidente Jair Bolsonaro estimam que 750 mil pessoas foram às ruas em 427 atos espalhados pelo País.

 

 

A Frente Brasil Popular, que compõe a ‘Campanha Fora, Bolsonar’, divulgou os números nas redes sociais.

“Mais de 500 mil vidas que perdemos para a pandemia e para esse governo genocida. Quantas mais perderemos até tirar Jair Bolsonaro do governo? Hoje ocupamos novamente as ruas de todo o País”, escreveu a FBP, mencionando ainda a realização de atos em 17 países.

“Depois desse dia bonito de luta reafirmamos nosso compromisso na defesa da vacina para todas e todos, do auxílio emergencial de R$600 até o fim da pandemia e na luta por #ForaBolsonaro. É assim que salvaremos o Brasil da pandemia e construiremos um futuro melhor!”, escreveu ainda a frente.

 

O dia de protestos

Milhares de pessoas foram às ruas neste sábado 19, em todo o Brasil, para protestar contra o presidente Jair Bolsonaro. As manifestações foram realizadas no dia em que o País registrou a marca de 500 mil mortes por Covid-19.

Entre as pautas que unificaram a mobilização, estão o impeachment de Bolsonaro, a intensificação da vacinação e a retomada do auxílio emergencial de 600 reais.

Em entrevista a CartaCapital, o líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto, Guilherme Boulos (PSOL), defendeu os atos, sob o argumento de que Bolsonaro “não deixou alternativa”.

“Ninguém queria estar fazendo mobilizações e manifestações no meio de uma pandemia, mas hoje chegamos a 500 mil mortes no País pela postura criminosa e genocida do presidente da República”, declarou Boulos, antes de se dirigir à Avenida Paulista, em São Paulo, onde se somou ao protesto.

Na capital paulista, o ex-prefeito Fernando Haddad (PT) foi um dos participantes da mobilização. Em seu discurso, afirmou que as 500 mil mortes são o resultado do negacionismo de Bolsonaro, a quem classificou como “um genocida”.

“É para isso que o Bolsonaro está aí, com a cumplicidade dessa burguesia, que não tem coragem de pautar o impeachment”, acrescentou.

Ao menos 23 capitais e o Distrito Federal registraram manifestações neste sábado, sob a organização da ‘Campanha Fora, Bolsonaro’, composta por frentes como a Povo sem Medo, a Brasil Popular e a Coalizão Negra por Direitos. Partidos de oposição ao governo se uniram ao movimento. Ao longo do dia, cidades no exterior também foram palco de protestos.

Confira algumas das imagens que marcaram o dia de mobilização:

 

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem