Vocês acham mesmo que o capitalismo irá mudar após o coronavírus?

Velho, diabético, cardiopata, teimoso. Em casa! Sim, pois não! Tenho 01, 02, 03, mas não insanos

Vocês acham mesmo que o capitalismo irá mudar após o coronavírus?

Opinião

Hoje em dia, o que mais faz difícil escrever esta coluna opinativa para o site de CartaCapital é o fato de eu ter ficado cego.

Já lera “Ensaio sobre a Cegueira”, do escritor português José Saramago (1922-2010), lançado em 1995, pela Editorial Caminho, Portugal, e no Brasil, pela Companhia das Letras. Saramago ganhou o Prêmio Nobel de Literatura, em 1998. E dele me lembrei, em tempos de Covid-19.

Recordo, também, antes da cegueira, de ter assistido à versão para cinema (2008), dirigida pelo Fernando Meirelles. Confesso, entre imagens esfumaçadas, ficou-me apenas a interpretação da excelente atriz norte-americana Julianne Moore.

Explico a atual cegueira. Trabalhando e escrevendo sobre a atividade há 45 anos, sinto-me incapaz, falho, “fake”, há quase um mês confinado em casa, desde que voltei do semiárido nordestino, sem mais nada me deixarem fazer.

Velho, diabético, cardiopata, teimoso. “Em casa!” “Sim, pois não!” Tenho 01, 02, 03, mas não insanos. Admito, também com amigos, quererem me preservar, mas exageram.

O que me atormenta é escrever a partir de notícias em folhas e telas cotidianas, sem amassar barro, subir e descer do carro para ver o estado dos cafeeiros mineiros, das olímpicas plantações de grãos, das frutas no Vale do Chico, dos tomateiros em São Paulo, dos batatais em Pouso Alegre, MG, do trigo que prolifera em Goiás, do melão em Mossoró (RN).

Tormento igual: não beber a cachacinha de fim de tarde com amigos caboclos, campesinos, sertanejos, às vezes em rodas de moda de viola, ou mesmo um uísque quando nas casas de ruralistas de exportação, mais pródigos na luxúria etílica.

Vive na lembrança os dias em que cruzei as serras fluminenses, hospedado em pousada de Petrópolis, onde após o trabalho colhia pitangas no jardim e as embebia num vinho verde português.

Dia seguinte, saíamos cedinho para admirar as produções de orgânicos, ao redor de Seropédica (Universidade Rural, RJ), com grupo de jovens ideologizados pelo sustentável.

Da mesma forma, dói ver, praticamente, fechada, largada, a fábrica que fundamos há dez anos de produtos ecologicamente corretos.

But the show must go on, ok? Já que não enxergo, peço que me leiam, ouço, e a seguir dito para que escrevam por mim.

– Confinado em sua fazenda, o amigo, agrônomo e ex-ministro da Agricultura de Lula, Roberto Rodrigues, em entrevista, vê “exigências e mudanças que vieram para ficar”;

– Amigo, se fossem para ficar, teriam vindo há duas décadas (os brasileiros demoraram para não ver o óbvio). Quando avisamos sobre a toxicidade de nossa produção agrícola e de inserção social, nos chamaram de ecochatos e esquerdistas;

– Terminada a pandemia (se), RR acha que todos voltarão mais conscientes. Deve pensar no setor sucroalcooleiro, meu caro;

– O articulista do “Valor” F. Abrucio escreve: “Tempo de trevas, mas ensina”.

– Aposto que não. O ciclo atual do capitalismo mudará por uma pandemia? Esqueça. Se vier, será por revolta popular ou mandatários politicamente voltados contra a desigualdade, e não pela crescente ganância dos privilegiados;

– No Brasil, o peso da gangorra alimentar se acentua, como sempre foi e ninguém ligou, apenas serviram de “vilões inflacionários” para o Jornal Nacional, TV Globo;

– Pecadores que frequentavam bares e restaurantes para biritas e gastronomia originária de águas e rios, que vinham em progressão, fizeram cair 50% o consumo. Comunidades caiçaras e ribeirinhas vivem disso. Mares e rios não estão pra peixe;

– Cresceu o consumo e os preços dos ovos, substitutos proteicos das carnes; as mais nobres, picanha por exemplo, tiveram queda de 50% em demanda e preços. Parte da alegria socializante do brasileiro vem dos churrascos;

– Os hortifruticultores do cinturão paulista e outras metrópoles não estão isolados em casa. Saem para plantar, manejar e tratar de suas lavouras;

– Eles mesmos ou caminhoneiros se arriscam para levar os alimentos, sempre suficientes, para os centros de abastecimento ou distribuição. Voltam. Não há demanda. Doam nas cidades;

– Culpa-se os transportes. Mentira. Houve uma queda de 50% nos pedidos a caminhoneiros, povo que se arrisca a trabalhar para nos abastecer de alimentos, medicamentos, combustíveis. Eles têm de onde retirar os alimentos, a produção está boa, mas para quem entregar?

– Cai também o consumo de bebidas alcoólicas. Pra gel é que não é;

– E last but not least, o Brasil, com pandemia ou não, nunca abandonará o capitalismo selvagem que escolheu. Somos meritocráticos.

Em 20 de março, quando eu e minha sócia, Viviane, retornamos do trabalho nos semiáridos pernambucanos e baianos, logo entramos em quarentena. Pânico. Fábrica e vendas paradas até hoje. A ninguém demitimos. Bancos para socorro, despistam.

Acham mesmo que o Brasil irá mudar depois da Covid-19?

O jornal Valor, costuma, em seu suplemento semanal, sentar-se à mesa com um comensal especial. Curioso, sempre comparo quem mais frugal ou suntuoso. Não há indiscrição. O jornal torna público, cardápio e preços. Pedi leitura a um amigo.

Publicado em 20/3, o repasto foi oferecido (?) ao excelso infectologista e secretário da Saúde do governo João Dória.

Não que não admire o médico e lamente o que recentemente passou. Torço por recuperação, mas se eu fosse importante e convidado, ainda assim escolheria o Batoré, bar e restaurante onde almoço, sempre que estou em Piedade, SP. Em duas pessoas, comemos excelente PF, uma cerveja, e não gastamos mais do que 35 reais.

Reproduzo o banquete Uip/Valor, no Figueira Rubayat, em São Paulo:

Bife chorizo (2) R$ 302,00

Salmão fresco (1) R$ 119,00

Arroz Biro-Biro (1) R$ 41,00

Carpaccio de funghi (1) R$ 56,00

Salada de alcachofra (1) R$ 69,00

Dadinhos de tapioca (1) R$ 28,00

Água (3) R$ 27,00

Café (4) R$ 32,80

Chá (1) R$ 8,00

Couvert (3) R$ 69,00

Serviço R$ 77.84

TOTAL R$ 676,64

Vocês acham mesmo que o capitalismo irá mudar com o coronavírus?

 

  

Este texto não reflete necessariamente a opinião de CartaCapital.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Criador e consultor da Biocampo Desenvolvimento Agrícola.

Post Tags
Compartilhar postagem