Sergio Takemoto

Presidente da Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae)

Opinião

Um legado de impacto social e solidariedade

Paralelamente às ações para amenizar os impactos do aquecimento global, a Fenae, desde sua criação, em 29 de maio de 1971, tem a responsabilidade social como um de seus valores fundamentais

O presidente da Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae), Sergio Takemoto. Foto: Divulgação
Apoie Siga-nos no

O aquecimento global, provocado pelo aumento das emissões de gases que causam o efeito estufa na atmosfera, é uma realidade inegável. Diante dessa constatação científica, estamos presenciando um aumento significativo de tragédias climáticas, como longos períodos de estiagem, intensas ondas de calor e tempestades devastadoras em todos os continentes do planeta.

As catástrofes provocadas pelas chuvas têm afetado regiões de norte a sul do País. As tempestades que atingiram o Rio Grande do Sul no início de maio, deixando um rastro de destruição e mortes em 468 municípios, são mais um reflexo do efeito estufa causado pela emissão de gases poluentes, alertado há anos pelos cientistas. Essa tragédia humanitária no sul do Brasil também reacende o debate sobre a importância de as empresas – públicas e privadas – desenvolverem projetos de responsabilidade social que diminuam os impactos negativos desses eventos climáticos na vida da população, além de promover a redução da pobreza no mundo.

Essas iniciativas não devem ser adotadas somente em momentos de tragédia, de forma emergencial. Além de cobrar dos governantes medidas para reduzir a emissão de gases na atmosfera, é necessário que as instituições se preparem para ajudar as vítimas dessas tragédias quando elas ocorrerem.

Somente nos primeiros quatro meses deste ano, a Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa (Fenae) lançou três campanhas para arrecadar fundos e donativos com o intuito de ajudar milhares de pessoas atingidas pelas chuvas no Acre, no Espírito Santo e no próprio Rio Grande do Sul, estado mais afetado até agora. Além das ações emergenciais das campanhas “SOS”, a Fenae investe continuamente em programas que visam o desenvolvimento sustentável e a inclusão social. Projetos educacionais, culturais, esportivos e de saúde são apenas algumas das iniciativas que buscam empoderar comunidades e promover uma transformação positiva a longo prazo. Atualmente, 27 projetos sociais de todo o País contam com apoio da Federação.

Em 2005, numa atitude pioneira, a Federação criou o Movimento Solidário, com o objetivo de auxiliar na transformação de um mundo melhor e mais justo. Há quase 20 anos, esse programa de responsabilidade social, realizado em parceria com diversas organizações e com a colaboração essencial dos empregados da Caixa de todo o País, tem trabalhado para diminuir a desigualdade social e melhorar a qualidade de vida dos brasileiros. Seus esforços incluem a erradicação da pobreza extrema, a elevação dos níveis de ensino e saúde, a promoção da igualdade de gênero e a autonomia das mulheres, alinhados com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU).

Nos últimos três anos, as ações do Movimento Solidário da Fenae e das Apcefs (Associações do Pessoal da Caixa), desenvolvidas em parceria com a ONG Moradia e Cidadania, beneficiaram 4,5 mil pessoas diretamente e 18 mil indiretamente.

Paralelamente às ações para amenizar os impactos do aquecimento global na vida da população, a Fenae, desde sua criação, em 29 de maio de 1971, tem a responsabilidade social como um de seus valores fundamentais. A entidade, juntamente com as Associações do Pessoal da Caixa de todo o Brasil, também criou um Fundo de Reservas para ações emergenciais, com o intuito de ajudar as vítimas de catástrofes naturais.

Mais do que nunca, a responsabilidade social empresarial está intrinsecamente ligada ao desenvolvimento sustentável. As ações devem ser desenvolvidas hoje, sem comprometer as possibilidades de as futuras gerações fazerem o mesmo. É essencial buscar um equilíbrio entre lucrar e cuidar do planeta e das pessoas que nele habitam.

Ao celebrarmos este marco de 53 anos, reafirmamos nosso compromisso com os valores que sempre guiaram a Fenae: solidariedade, inclusão e desenvolvimento humano. Continuaremos trabalhando pela defesa do bem-estar dos empregados da Caixa, pela manutenção de um banco 100% público, forte e social e pela construção de um futuro melhor, onde a cooperação e o apoio mútuo sejam a base para enfrentar os desafios que surgirem.

Este texto não representa, necessariamente, a opinião de CartaCapital.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo