Opinião

O casamento do liberalismo arcaico com o autoritarismo tosco

Ninguém pode se dizer enganado pelo capitão, que de tudo pode ser acusado, menos de estelionato eleitoral

É preciso repetir sempre: ninguém pode se dizer enganado pelo capitão, que de tudo pode ser acusado, menos de estelionato eleitoral. O que seria sua presença no Planalto foi antecipado pela folha corrida de mau militar (qualificação que deve ao general Ernesto Geisel) e pela gritante mediocridade de seus 30 anos de vida parlamentar. Eleito, empossado, reiterou seus compromissos com o atraso em reunião com representantes da ultradireita dos EUA, quando anunciou o projeto de desconstrução do país. É esta sua faina, e dela já colhe frutos, com o colapso da economia, a desmontagem do Estado nacional desenvolvimentista, o achincalhe da política externa e a derruição da educação pública – esses, apenas os pontos mais destacáveis de sua razia contra os interesses nacionais, que abrange ainda ciência, tecnologia e inovação, a cultura de um modo geral, o meio ambiente e, pari passu, a montagem de um Estado autoritário presidido de forma autocrática e personalista. Trata-se de governo cuja sustentação depende da continuidade da “Pauta Guedes”, de que depende a continuidade do apoio do “mercado”, mais especificamente dos rentistas da Avenida Paulista que se reúnem em torno da Fiesp, outrora uma casa de industriais, hoje habitada por suicidas a médio prazo.

Mas a “Pauta Guedes” e seu neoliberalismo paleoconservador dependem do aprofundamento do autoritarismo político encarnado pelo inefável capitão.

A recuperação econômica prometida se transforma em recessão e avança o processo de desindustrialização. Segundo a CNI, a capacidade instalada da indústria esteve em junho último ociosa em 22,8%, o que já era visível na assustadora quantidade de máquinas e equipamentos parados nos parques fabris, ao lado de altos estoques à espera de um reaquecimento do consumo que não chega, como não chegam os investimentos privados, já que os públicos foram cortados por caturrice ideológica: as quedas dos investimentos em infraestrutura e habitação – setores que empregam elevados contingentes de mão de obra – são responsáveis, respectivamente, pela redução de 20% e 21,2% da produção, fechando uma alternativa para a alimentação da economia e recuperação do mercado de trabalho.

Os números indicam a queda, sem precedentes históricos, dos gastos em máquinas, inovação e construção civil (espelho da recessão da indústria), que viu sua participação no PIB cair para 7,5%, seu pior indicador nos últimos 70 anos, só comparável com os 6,9% de 1948.

Segundo a Associação Brasileira de Infraestrutura e Indústria de Base – termômetro da indústria –, a chamada formação bruta de capital fixo, tradicional prenúncio de recuperação, está 24,8% abaixo do nível registrado em 2014.

Se a economia brasileira sofre os efeitos da depredação do neoliberalismo à la Paulo Guedes, as ameaças que chegam de fora se assemelham a um verdadeiro tsunami, pois a economia global deve crescer abaixo de 3% (contra os já baixos 3,6% do ano passado) e a crise de acumulação do capitalismo, agravada pelas tensões geopolíticas e pela guerra comercial entre EUA e China, indica a queda dos investimentos de um modo geral, mas muito particularmente nos chamados emergentes, e dentre estes punindo aqueles países administrados de forma tresloucada como atualmente é o nosso caso. Já há economistas falando em “recessão técnica global”. A expectativa no curto prazo, em função desse quadro,  é a queda dos preços das commodities (principalmente petróleo e minério de ferro), atingindo-nos diretamente.

Em meio a cenário tão sombrio, o capitão se comporta em nossas relações externas  como macaco em cristaleira.

Se imiscui na política interna da Argentina e assim desde logo se indispõe e indispõe o Brasil com o provável vencedor das eleições de outubro próximo, dessa forma pondo em risco nossos interesses  junto ao país vizinho, nosso maior importador de manufaturados e nosso principal sócio no Mercosul, bloco também ameaçado pelo futuro incerto das relações diplomáticas e comerciais de seus dois principais sócios.

Mal saído o país das negociações com a OCDE – que ainda dependem do Parlamento Europeu – o capitão menospreza o ministro das Relações Exteriores da França, ameaça o Acordo de Paris, grato aos europeus, e, distribuindo grosserias contra a Alemanha e a Noruega, assume o papel de conivente com o inegável, e criminoso, desmatamento da Amazônia. As represálias estavam a caminho e não demoraram a chegar na forma de corte de subsídios aos fundos de proteção da região, e outras sanções são cogitadas.

A única linha reta dessa politica externa desastrada é a subordinação aos interesses da Casa Branca de Trump, em nome do que o capitão põe em risco as relações com a China, nosso principal parceiro comercial e o maior importador de commodities brasileiras, e fragiliza nossas relações com os países árabes, importantes parceiros com os quais desenvolvemos, há décadas, políticas de mútua e profícua aproximação comercial. E em todos esses campos, inclusive na Argentina, como na África, recuando, para supostamente agradar a Trump, terminamos por ceder espaços à China em sua diplomacia comercial e deixamos de colher eventuais dividendos da disputa entre as duas potências comerciais.

Na suposição de estar agradando a Trump, o capitão se recusa a renegociar com a Venezuela o que o Brasil tem a receber por obras já realizadas, ao preço de um prejuízo de R$ 4 bilhões.

Na sequência da subserviência, à qual o Senado Federal ameaça associar-se, Bolsonaro quer fazer de seu filho Eduardo embaixador brasileiro em Washington. O projeto é imoral, não apenas pelo nepotismo, e muito menos porque o 03 não é diplomata da carreira, pois fora da carreira tivemos embaixadores exemplares como Oswaldo Aranha e Walther Moreira Salles, para citar dois entre muitos nomes. É imoral porque o rapaz é despreparado para o cargo – para o qual não basta saber fritar hambúrguer e supostamente ser amigo do rei – e constituirá mais um vexame para a diplomacia brasileira.

Já não bastaria para nossa vergonha o chanceler Ernesto Araújo?

(Foto: Agência Brasil)

No estrito plano interno, o capitão vai consolidando o Estado autoritário e nele uma presidência autocrática e personalista voltada para proteger familiares e amigos e perseguir inimigos ou aqueles que elege como tais, como os governadores do Nordeste. Ou ainda aqueles que por ofício podem interferir em seus planos, e só assim se explica a intervenção pessoal em órgãos de controle como a Receita Federal, o COAF – Conselho de Controle de Atividades Financeiras (reestruturado) e a Polícia Federal, nesta demitindo o delegado superintendente no Rio de Janeiro, cujas investigações chegaram às famosas milícias e suas conhecidas relações com políticos fluminenses, entre os quais estaria seu filho, o  ex-deputado estadual  e agora senador Flávio Bolsonaro, de cujo gabinete desapareceu o assessor Fabrício Queiroz, acusado de operar a chamada “rachadinha” – como é conhecida a prática, ilícita, de funcionários repassarem aos parlamentares parte dos salários.

O bolsonarismo no governo, em suas duas pontas, o autoritarismo político e o liberalismo econômico – somado às inabilidades do capitão, que não compreendeu nem compreenderá as limitações constitucionais e éticas de seu mandato–, oferece as condições objetivas para a reação oposicionista, pontual e programática, reunindo questões concretas, como a defesa do emprego e o combate à violência, a questões de princípio, ingentes mas ainda pouco percebidas pelo conjunto da sociedade, como a defesa da democracia e da ordem constitucional, contra a qual o governo conjura diariamente.

A oposição, porém, não caminhará um palmo se não tiver competência para construir uma ampla frente nacional – politicamente mais ampla que o conjunto dos partidos – e assim retomar as mobilizações populares, sem as quais não avançarão nem o combate ao governo nem a defesa dos interesses nacionais. Se a oposição, para valer, precisa constituir-se como frente ampla, não há frente ampla sustentável sem base popular.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!