Mesmo derrotado, Guilherme Boulos venceu

Péssimas para Bolsonaro e ruins para o campo progressista, as eleições tiveram saldo positivo para o candidato do PSOL

O candidato Guilherme Boulos (PSOL). Foto: Reprodução/Twitter

O candidato Guilherme Boulos (PSOL). Foto: Reprodução/Twitter

Opinião

Guilherme Boulos não será prefeito. Os paulistanos deram uma vitória folgada ao tucano Bruno Covas, reeleito com 59% dos votos. Mesmo derrotado, o candidato do PSOL ainda sai ganhando dessa disputa.

 

 

Esta é a segunda vez que o líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) concorre a um cargo público. Antes, em 2018, foi candidato à Presidência. Teve ao todo 617 mil votos, 0,58% do total de válidos.

Agora, Boulos fez 2,1 milhões no maior colégio eleitoral do país– quase o mesmo que todos os candidatos a prefeito do PSOL no primeiro turno.

Ao longo da campanha, Boulos conseguiu explorar as contradições socioeconômicas da cidade mais rica do País. Também trouxe para o debate o passado e as controvérsias do vice  de Covas, Ricardo Nunes, e o embaraço do rival em relação a Doria, seu padrinho e antecessor.

Um candidato de esquerda neófito, de um partido jovem e pequeno, conquistou 40% dos votos nas eleições da maior cidade da América Latina. Um feito.

Boulos atraiu o apoio orgânico de intelectuais, personalidades e uma militância jovem e aguerrida. Seu carisma e boa oratória superaram os boatos e estereótipos associados à atuação no movimento de moradia.

Apesar de disputar os meses votos e, posteriormente, desbancar o candidato do PT, Boulos ganhou quase que automaticamente o apoio do partido e de outras siglas de esquerda.

É por tudo que isso que as eleições municipais – péssimas para Bolsonaro e ruins para o campo progressista –, terminam bem para Boulos. A chegada, e principalmente, o caminho até o segundo turno consolidam seu potencial eleitoral.

A disputa não lhe deu a cadeira do Edifício Matarazzo com vista para o Vale do Anhangabaú. Deve haver, porém, lugar na mesa dos líderes da esquerda.

 

Este texto não reflete necessariamente a opinião de CartaCapital.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Editora-executiva do site de CartaCapital

Compartilhar postagem