Luana Tolentino

[email protected]

Mestra em Educação pela UFOP. Atuou como professora de História em escolas públicas da periferia de Belo Horizonte e da região metropolitana. É autora dos livros 'Outra educação é possível: feminismo, antirracismo e inclusão em sala de aula' (Mazza Edições) e 'Sobrevivendo ao racismo: memórias, cartas e o cotidiano da discriminação no Brasil' (Papirus 7 Mares).

Opinião

Armar as escolas para conter a escalada de violência é um tiro no pé

Os que têm se arvorado em implantar no ambiente escolar a ‘pedagogia do cárcere’ são os mesmos que abraçaram a política de ódio, cujos reflexos estão presentes nos atentados

Projeto Escola Segura no Colegio no interior do Paraná. 16/09/2019 — Foto: Geraldo Bubniak/AEN
Apoie Siga-nos no

Ao escrever neste espaço, tento não ser repetitiva com os temas abordados. Mas nem sempre isso é possível. Pela terceira semana consecutiva, redijo sobre a onda de violência nas escolas que assombra e amedronta o País.

Nos dias que sucederam a chacina ocorrida em uma creche de Blumenau (SC), que vitimou quatro crianças e destruiu famílias inteiras, registros de ameaças e de tentativas de assassinatos em instituições de ensino ganharam destaque no noticiário.

Uma atmosfera de pânico e insegurança toma conta do Brasil, o que levou minha mãe a dizer durante uma conversa pelo telefone: “Luana, eu ando com medo de tudo!”. Esse sentimento também é partilhado por colegas professores e de outros segmentos profissionais.

Nesse contexto, que nos faz manter a respiração em suspenso diante do receio de mais um caso vir à tona, chamam-me atenção as medidas adotadas até então por governadores, prefeitos, parlamentares e gestores de instituições privadas para tentar conter a onda crescente de violência nas escolas. Só se fala na instalação de detectores de metal e na presença de policiais e seguranças armados nos espaços de saber. Em minhas leituras diárias dos principais jornais e portais de notícias, ainda não vi uma única proposta que vise a refletir como chegamos até aqui. Ainda não encontrei uma única figura pública que dissesse: precisamos (re)pensar a escola e sua função social. 

Os que têm se arvorado em implantar no ambiente escolar a “pedagogia do cárcere” são os mesmos que nos últimos anos abraçaram com ardor a institucionalização da barbárie, a política de armamento, de ódio, cujos reflexos estão presentes de maneira indelével nos recentes atentados contra a vida que temos testemunhado.

Desse modo, cabe perguntar: a quem interessa armar as escolas como se estivéssemos falando de medidas para aumentar a segurança em penitenciárias? Quem lucra, quem ganha com isso? Certamente não são os estudantes, os professores, nem mesmo a comunidade escolar. 

Diante do desafio que se apresenta, não teremos êxito sem o fomento de políticas públicas que objetivem reconhecer a escola como um espaço de proteção social e de valorização das diferenças. Dificilmente iremos avançar enquanto não houver a ressignificação dos currículos escolares, que muitas vezes são completamente distantes dos anseios e vivências de crianças, jovens e adultos. Enquanto formos um país que desqualifica e criminaliza professores, a violência contra esse grupo será uma constante.

O enfrentamento ao ódio que paira no ar, e nos sufoca, passa também pela responsabilização de redes sociais que disseminam incessantemente conteúdos que alimentam atos como o que custou a vida da professora Elisabeth Tenreiro, há duas semanas, em uma escola da Zona Oeste de São Paulo. Nesse sentido, o ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, acerta o alvo ao fechar o cerco a redes, como o Twitter, que se recusam a tomar providências para retirar das plataformas as publicações propagadoras de intolerância, ameaças explícitas, agressões e planos de ataque.

Armar as escolas é desconsiderar as palavras do ministro dos Direitos Humanos e da Cidadania, Silvio Almeida, que, ao refletir sobre a tragédia na creche de Blumenau, pontuou: “Nós estamos construindo uma sociedade miserável. Nós estamos matando a esperança das pessoas. Nós estamos matando as crianças que aqui estão, os adolescentes e as que ainda nem vieram porque nós estamos criando um mundo em que o sonho, a esperança, não é possível”.

Além de ineficaz, como comprovam experiências nesse sentido já verificadas em instituições de ensino nos Estados Unidos, armar as escolas para conter a escalada de violência é um tiro no pé. Insistir nessa direção é um grande equívoco, que beneficia somente os que se elegeram às custas de discursos reacionários, as empresas de segurança privada e a indústria armamentista. 

Este texto não representa, necessariamente, a opinião de CartaCapital.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.