Maria Rita Kehl

Opinião

assine e leia

A massificação da mentira

Instrumento de vingança dos covardes e ressentidos, a calúnia tornou-se ainda mais nociva na era de sua reprodutibilidade técnica*

Apoie Siga-nos no

O desastre climático no Rio Grande do Sul, que causou 163 mortes e deixou quase 600 mil desalojados até a conclusão desta coluna, revelou-se ainda mais doloroso para as vítimas sobreviventes a partir do momento em que pessoas, com interesses escusos (às vezes, até para elas próprias), passaram a divulgar notícias falsas em meio à tragédia. A prática existia muito antes de voltar americanizada. Até o advento da terra sem lei das redes sociais, as mentiras, inocentes ou arrasadoras, tinham alcance menor e nomes singelos. Chamávamos de lorotas, tramoias ou traição os truques baixos dos que inventavam e faziam circular fofocas maldosas contra seus desafetos.

A calúnia era considerada uma forma de traição. Ainda que de contágio muito mais lento do que na era do ­WhatsApp, a propagação de boatos ou fofocas dependia de que outras pessoas acreditassem nelas e passassem adiante, boca a boca. Mesmo assim, a briga ou desavença resultantes da fofoca era um evento privado restrito a um pequeno círculo de conhecidos. Lembro-me de um aforismo do saudoso Plínio Marcos, sempre provocador: “Se é mentira, espalha logo, antes que desmintam”. Mas seu objetivo era desmoralizar os milicos do golpe de 1964.

Este texto não representa, necessariamente, a opinião de CartaCapital.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo