Mundo

Wuhan, epicentro do coronavírus, é isolada para conter disseminação

A cidade chinesa toma medidas para evitar que o coronavírus se espalhe. Comemorações do Ano Novo chinês foram canceladas

Pessoas viajaram para o Ano Novo Lunar com máscaras de proteção. Foto: Nicolas Asfouri/AFP
Pessoas viajaram para o Ano Novo Lunar com máscaras de proteção. Foto: Nicolas Asfouri/AFP

A metrópole de Wuhan, situada na China central com 11 milhões de habitantes, é considerada o local de origem do novo coronavírus – que já provocou 17 mortes no país – e se isola do mundo com objetivo de conter uma epidemia. A grande maioria dos 440 casos de contaminação deste novo vírus, que pertence a mesma família da SARS, foram registrados nessa cidade construída às margens do rio Yangtsé.

A epidemia foi detectada pela primeira vez no último mês, em um mercado de frutos do mar localizado na cidade. Desde então, nove pessoas morreram e os cientistas temem uma possível mutação e propagação desenfreada do vírus.

 

Após terem ignorado a doença por semanas, nos últimos dias os habitantes de Wuhan começaram a usar máscaras de proteção, como contaram por telefone vários moradores do local à AFP. “O medo realmente aumentou desde a última segunda-feira 21, quando informaram que o contágio acontece de forma direta entre pessoas”, relata Melissa Santos, uma estudante dominicana que vive em Wuhan há pouco mais de dois anos.

Charly Bonnassie, um estudante francês que embarcou em um trem vindo de Wuhan, contou que “100% dos passageiros e dos funcionários” usavam máscaras. Vincent Lemarié, um professor de francês que leciona na Universidade de Hubei, na província de Wuhan, disse que não há mais máscaras disponíveis na farmácia.

Em um primeiro momento, as autoridades afirmaram que o vírus parecia ser transmitido apenas de animais para o ser humano, e que não havia contaminação entre humanos.

Raposas, crocodilos e lobos

O diretor do Centro Nacional de Controle e Prevenção de Doenças, Gao Fu, comentou nesta quarta-feira 22 que no mercado onde surgiu a epidemia eram vendidos animais selvagens. Ele não informou, no entanto, se esses animais seriam a origem da infecção.

O local de comércio, principalmente voltado para a pesca, mantém uma seleção variada de mercadorias, como lobos e civetas, segundo informações divulgadas pela mídia local. Circula nas redes sociais chinesas uma lista de preços contendo vários animais e produtos variados, como raposas, crocodilos, lobos, salamandras gigantes, cobras, ratos, pavões e porco-espinho, podendo chegar a 112 tipos de animais.

Sem festividades

As autoridades se preocupam pelo risco de contaminação a poucos dias de um grande feriado local, quando milhões de chineses viajarão. “Caso não seja necessário, aconselhamos que não venham a Wuhan”, informou o prefeito da cidade, Zu Xianwang, em comunicado veiculado na televisão.

Em uma coletiva de imprensa em Pequim, o vice-ministro da Comissão Nacional de Saúde da China, Li Bin, sugeriu que os moradores não saíssem da cidade.

Detectores de febre foram instalados nas estações de embarque e no aeroporto. Nas estradas, a temperatura corporal é medida pelos postos de controle, e para sair da cidade o transporte não pode ser feito de carro. A polícia também controla a presença de animais selvagens e aves nos veículos que entram e saem da cidade.

Para evitar qualquer concentração de pessoas, as autoridades anularam as comemorações previstas para o feriado, no qual é comemorado o Ano Novo chinês, marcado para o próximo 25 de janeiro.

O famoso templo budista Guiyuan, que no último ano reuniu um público de 700 mil pessoas para a ocasião, teve que cancelar ao evento. Cerca de 30 mil pessoas já tinham reservado os seus ingressos e outros 200 mil foram distribuídos de forma gratuita. As autoridades também proibiram qualquer espetáculo e fecharam o museu.

O prefeito, criticado por ter organizado no último final de semana um banquete no qual recebeu 40 mil famílias, teve que explicar que desconhecia o tamanho da epidemia.

“As pessoas estão um pouco preocupadas”, diz Melissa Santos. “Um amigo que tinha me convidado para passar o Ano Novo com ele em outra cidade da província de Hubei preferiu cancelar a festa. Ele tem medo de se contaminar. Particularmente, eu também prefiro cancelar minha viagem para evitar encontrar com pessoas infectadas no trem”, acrescenta.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!