Mundo

Vaticano sobe o tom e denuncia Israel por ‘carnificina’ em Gaza

Desde o início da guerra, em 7 de outubro, as relações diplomáticas entre as autoridades católicas e o Estado judeu têm sido turbulentas

O secretário de Estado do Vaticano, Pietro Parolin. Foto: Tiziana FABI / AFP
Apoie Siga-nos no

Na terça-feira (13), o Cardeal Parolin, secretário de Estado da Santa Sé, que foi convidado pelas autoridades italianas para a cerimônia de comemoração dos acordos de Latrão, não escondeu sua indignação com a situação em Gaza.

“Peço que o direito de defesa de Israel, invocado para justificar a operação militar em Gaza, seja proporcional, o que certamente não é o caso com 30.000 mortos”.

A declaração foi feita durante uma cerimônia a convite das autoridades italianas de comemoração do Tratado de Latrão, documento assinado entre o Reino da Itália e a Santa Sé no início do século 20 para colocar um fim em desentendimentos entre o governo italiano e a Igreja Católica.

O número 2 do Vaticano também reiterou sua condenação “sem reservas” dos ataques do Hamas e de todas as formas de antissemitismo, mas suas observações foram muito mal recebidas.

A declaração do secretário de Estado da Santa Sé provocou uma forte reação da embaixada do Estado judeu em Roma. Já os líderes da Austrália, Canadá e Nova Zelândia advertiram Israel nesta quinta-feira (15) contra uma operação terrestre “catastrófica” na cidade de Rafah, no sul da Faixa de Gaza, em um comunicado conjunto oficial.

Em um comunicado publicado ontem, a embaixada israelense na Santa Sé denunciou “uma declaração deplorável”, ressaltando que, para julgar a legitimidade de uma guerra, era necessário levar em conta todos os elementos e considerar “a estrutura geral”, ou seja, que Gaza foi transformada pelo Hamas “na maior base terrorista já vista”.

Turbulência diplomática

Desde o início da guerra, em 7 de outubro, as relações diplomáticas entre as autoridades católicas e o Estado judeu têm sido turbulentas.

Em meados de dezembro, o Patriarcado de Jerusalém denunciou a morte de duas mulheres cristãs “assassinadas a sangue-frio” em Gaza por um atirador israelense. O embaixador israelense no Vaticano retrucou: “Não há provas, essas são declarações difamatórias”.

Operação “catastrófica”

Depois dos Estados Unidos, o principal aliado de Israel, que disse ser contrário a uma ofensiva em Rafah sem “garantias” para a segurança dos civis, a Austrália, o Canadá e a Nova Zelândia advertiram na quinta-feira o governo de Netanyahu contra uma operação em Rafah.

Instando o governo de Benjamin Netanyahu a “não seguir esse caminho”, os três países integrantes do Commonwealth disseram que “uma operação militar em Rafah seria catastrófica”, tendo em vista os “estimados 1,5 milhão de refugiados palestinos na área” que não têm para onde ir.

(Com AFP)

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo