Mundo

UE abre investigação contra TikTok por possível violação das normas de proteção a menores

Procedimento se baseia na nova regulamentação de plataformas digitais para investigar suspeita de violação na transparência e na proteção de menores de idade

(Foto: Martin BUREAU / AFP)
Apoie Siga-nos no

A União Europeia abriu um “procedimento formal” contra a rede social TikTok por possível violação das normas de transparência e proteção a menores, conforme anunciado nesta segunda-feira (19) pelo comissário europeu para o Mercado Interno, Thierry Breton.

“Abrimos hoje uma investigação sobre o TikTok por suspeita de violação da transparência e das obrigações de proteção aos menores”, publicou Breton na rede social X (ex-Twitter).

O procedimento é o segundo do tipo na UE à luz da nova regulamentação das plataformas digitais, após uma investigação semelhante contra o X.

A Comissão Europeia, o braço executivo da UE, destacou em comunicado que a investigação também avaliará se o TikTok violou a regulamentação existente sobre “acesso a dados, gestão de riscos, design viciante e conteúdo prejudicial”.

“O TikTok precisa examinar de perto os serviços que oferece e considerar cuidadosamente os riscos que representam para seus usuários, tanto jovens quanto adultos”, afirmou a vice-presidente executiva da Comissão, Margrethe Vestager.

A investigação formal se concentrará em quatro áreas: a forma como o TikTok avalia e mitiga os riscos sistêmicos, o cumprimento da proteção da privacidade e segurança dos menores de idade, a emissão de publicidade “confiável” e as medidas adotadas para aumentar a transparência.

“A Comissão conduzirá agora uma investigação aprofundada de caráter prioritário”, informou a Comissão.

A investigação foi atribuída pela Comissão devido à nova legislação que regulamenta a operação das plataformas digitais no território europeu. Essa regulamentação exige que as empresas intensifiquem os esforços para gerenciar melhor os conteúdos online.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo