Mundo

Ucrânia denuncia na ONU ‘lista interminável’ de atrocidades cometidas pela Rússia

A alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, já afirmou que o exército russo cometeu ações que podem constituir ‘crimes de guerra’

Foto: RONALDO SCHEMIDT / AFP
Foto: RONALDO SCHEMIDT / AFP
Apoie Siga-nos no

A Ucrânia e seus aliados denunciaram nesta quinta-feira 12 uma “lista interminável” de atrocidades cometidas pela Rússia desde a sua invasão em 24 de fevereiro, em uma sessão extraordinária do Conselho de Direitos Humanos da ONU em Genebra, que foi boicotada por Moscou.

Na reunião convocada a pedido da Ucrânia, os 47 países-membros do Conselho devem se pronunciar sobre um projeto de resolução que pede uma “investigação” pela comissão internacional da ONU para a Ucrânia sobre as graves violações de direitos humanos atribuídas às tropas de ocupação russa.

De acordo com o texto, os abusos foram cometidos nas áreas próximas a Kiev, em Chernihiv, Kharkiv e Sumy entre o final de fevereiro e março de 2022 e a resolução busca “pedir que os responsáveis sejam responsabilizados”.

“Milhares de pessoas do meu país perderam a vida. Os bombardeios e tiros russos fazem parte de nossa vida diária”, declarou a primeira vice-ministra das Relações Exteriores da Ucrânia, Emine Dzhaparova, na abertura da sessão, em um discurso por videoconferência.

A representante denunciou atos de tortura, desaparecimentos forçados, violência sexual e de gênero.

“A lista de crimes russos é interminável”, denunciou antes de mostrar um desenho feito por uma criança que foi estuprada na frente de sua mãe.

Durante as discussões, muitos diplomatas aliados de Kiev, mas também funcionários da ONU, expressaram sua indignação com o sofrimento dos ucranianos.

“A agressão russa envolve a descoberta de fatos cada vez mais macabros a cada dia”, disse o embaixador francês, Jérôme Bonnafont. Seu colega britânico denunciou a “campanha brutal” de Moscou.

A alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, que já afirmou que o exército russo cometeu ações que podem constituir “crimes de guerra” na Ucrânia, indicou que seu gabinete continua verificando as acusações.

“A extensão das execuções ilegais, incluindo os indícios de execuções sumárias nas áreas do norte de Kiev é chocante”, declarou, especificando que até agora tem informações sobre 300 casos.

“Horrores inimagináveis” em Mariupol

Bachelet também denunciou que os habitantes de Mariupol sofreram “horrores inimagináveis”.

O projeto de resolução pede um relatório sobre a situação humanitária e dos direitos humanos em Mariupol na 50ª sessão do Conselho, entre 13 de junho e 8 de julho.

Esta é a primeira reunião dedicada à questão desde que a Assembleia Geral da ONU suspendeu a Rússia no início de abril de seu órgão de direitos humanos.

Moscou antecipou a suspensão ao renunciar ao seu status de membro do Conselho de Direitos Humanos, mas, como Estado, mantém o direito de participar como país observador.

Nesta quinta-feira, a Rússia teve o direito de pedir a palavra para responder, mas decidiu deixar a cadeira de seu país vazia.

Para não deixar o campo totalmente livre para seus adversários, o embaixador russo na ONU, Gennady Gatilov, publicou um comunicado no qual denunciou “a demonização da Rússia pelo ‘ocidente coletivo'”, e falou de uma investigação que não é independente, com derivas do Conselho que transformaram o fórum numa arena “para desferir golpes políticos”.

Em 4 de março, Kiev conseguiu que o Conselho adotasse de forma esmagadora uma resolução para criar urgentemente uma comissão de investigação internacional independente.

A pessoa designada para liderar a investigação, o ex-juiz norueguês Erik Mose, que foi magistrado do Tribunal Europeu de Direitos Humanos e presidiu o Tribunal Penal Internacional para Ruanda, indicou que a comissão iniciou seus trabalhos, mas que ainda não tem um orçamento.

AFP

AFP
Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Tags: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.