Mundo

Trump promete soltar traficante em troca de apoio do Partido Libertário

O caso de Ross Ulbricht, criador do site Silk Road, que vendia drogas na Dark Web, é tratado por libertários como um ataque do Estado ao livre mercado

Foto: Jim WATSON / AFP
Apoie Siga-nos no

Donald Trump prometeu, em troca do apoio do marginal Partido Libertário, que se for eleito presidente, libertará um americano condenado à prisão perpétua por comandar um site que vendia milhões de dólares em drogas.

O ex-presidente republicano falou no sábado (26) na convenção nacional do partido com a esperança de ganhar apoio para as eleições de novembro, nas quais enfrentará novamente o atual mandatário democrata, Joe Biden.

“Se votarem em mim, no primeiro dia eu comutarei a sentença de Ross Ulbricht”, disse  Donald Trump, provocando aplausos da multidão. Ele também afirmou que nomearia um libertário para seu governo.

Em 2015, Ross Ulbricht, criador do site Silk Road, que já foi considerado o maior site de venda de drogas online do mundo, foi condenado à prisão perpétua sem possibilidade de liberdade condicional. Ele havia vendido drogas no valor de US$ 200 milhões (cerca de R$ 1 bilhão) para usuários de todo o mundo.

Seu mercado negro na Dark Web, às vezes apelidado de “Ebay das drogas”, permitia a compra de heroína, cocaína, LSD e outros produtos ilegais ou documentos falsos utilizando a moeda virtual bitcoin, garantindo o anonimato de seus dezenas de milhares de compradores ao redor do mundo.

Os círculos libertários adotaram sua causa e denunciaram sua condenação como um excesso de poder do governo e um ataque aos princípios do livre mercado.

Trump já prometeu, por outro lado, que apoiará a pena de morte para traficantes de drogas.

A reunião política acalorada esteve longe de ser um ato de celebração do ex-presidente, que está mais acostumado a estar rodeado de apoiadores fervorosos que concordam com cada palavra dita em seus discursos.

Muitos libertários acreditam que as políticas de Trump excedem os limites do que eles acham deveriam ser as atribuições do governo.

“O Partido Libertário deveria nomear Trump como candidato a presidente dos Estados Unidos”, disse o próprio magnata entre aplausos e vaias. “Só se quiserem ganhar, mas talvez não queiram ganhar”, acrescentou.

O Partido Libertário geralmente apresenta candidatos muito marginais nas eleições, que defendem a ideia de um governo mínimo, a legalização da maconha ou até mesmo a abolição da agência federal de arrecadação de impostos.

Na quinta-feira, Trump participou de uma reunião incomum no Bronx, um distrito pobre de Nova York, onde espera atrair eleitores hispânicos e afro-americanos que têm mostrado dúvidas em seu apoio a Joe Biden.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo