Mundo

Trump pagará despesas judiciais a ex-espião britânico após perder processo

Trump apresentou uma denúncia contra Christopher Steele e a empresa privada Orbis, fundada pelo ex-agente, mas perdeu na justiça

Foto: FULTON COUNTY SHERIFF'S OFFICE/AFP
Apoie Siga-nos no

O ex-presidente americano Donald Trump pagará pelo menos 300.000 libras (1,8 milhão de reais) de gastos judiciais a um ex-espião britânico, após perder um processo contra ele, segundo a decisão tomada por um tribunal de Londres nesta quinta-feira (7).

A Justiça britânica rejeitou em 1° de fevereiro o processo de Trump contra Christopher Steele, cujo controverso relatório sobre os supostos vínculos do dirigente com a Rússia provocou uma tempestade política em 2017.

Trump, de 77 anos, de novo candidato à indicação republicana, apresentou uma denúncia contra Christopher Steele e a empresa privada Orbis, fundada por esse ex-agente dos serviços britânicos de informação.

Em uma decisão revelada nesta quinta-feira pela agência britânica PA, a juíza da Suprema Corte britânica indicou que Donald Trump deve pagar os gastos judiciais da Orbis “pelo conjunto da denúncia”.

A empresa do ex-espião avaliou esses gastos em mais de 600.000 libras (3,6 milhões de reais), segundo a juíza, que ordenou a Trump que pague a metade da quantia, à espera de que um advogado especializado decida o valor total.

A pedido do campo democrata, durante a campanha para a eleição americana de 2016, Christopher Steele havia recolhido informação, não verificada, que relacionava Trump com a Rússia.

Isso fez com que Trump recorresse ao Tribunal Superior de Londres, com base na lei de proteção de dados, para se defender do relatório, que compilava informações brutas e não verificadas.

A denúncia se concentrou especialmente em duas seções desse relatório que descrevem supostas orgias das quais Donald Trump teria participado em São Petersburgo, assim como outras com prostitutas em Moscou.

Não há “motivos convincentes” que justifiquem um julgamento, decidiu o Tribunal Superior britânico em fevereiro, porque “quaisquer que sejam os méritos da denúncia (…) a solicitação de “indenização por danos está fadada ao fracasso”.

De acordo com a juíza Karen Steyn, Donald Trump não conseguiu “formular um remédio viável que tivesse uma chance real de sucesso (…) e optou por deixar passar muitos anos” e o que o ex-presidente estava buscando principalmente era “defender sua reputação”, por meio dessa ação.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo