Trump demite diretor de segurança eleitoral que negou fraudes

Presidente norte-americano defende que as máquinas de contagem teriam alterado o resultado da eleição

Chris Krebs fala durante a Conferência de Segurança Cibernética do Departamento de Segurança Interna. Foto: Kevin Hagen / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / AFP

Chris Krebs fala durante a Conferência de Segurança Cibernética do Departamento de Segurança Interna. Foto: Kevin Hagen / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / AFP

Mundo

Em mais um passo de sua cruzada contra o resultado das eleições presidenciais que deram vitória a Joe Biden, o presidente Donald Trump demitiu o diretor da Agência de Segurança de Infraestrutura e Cibersegurança (CISA), Chris Krebs, na noite de terça-feira 17. O mais alto funcionário de segurança eleitoral do país havia rejeitado as denúncias de fraude nas eleições vencidas pelo democrata.

 

 

Eram sete horas da noite de terça-feira quando Trump publicou o tuíte fulminante: “a declaração recente de Chris Krebs sobre a segurança das eleições de 2020 foi muito imprecisa, já que houve muitas coisas inapropriadas e fraude”, escreveu Trump. “Portanto, com efeito imediato, Chris Krebs foi destituído como diretor da Agência de Segurança de Infraestrutura e Cibersegurança (CISA)”.

 

 

 

Imediatamente, Chris Krebs reagiu nas redes sociais: “Foi uma honra”. O ex-diretor de cibersegurança já havia prevenido pessoas próximas que esperava ser mandado embora.

Duas semanas após as eleições, o presidente americano continua defendendo que as máquinas de contagem teriam alterado o resultado e computado votos que seriam dele para o democrata e que o nome de eleitores mortos apareceriam como votantes. Até o momento, todas as denúncias de Trump foram rejeitadas pelos responsáveis pelo processo eleitoral que dizem não haver qualquer evidência de fraudes.

 

Processo de transição complicado

Joe Biden, presidente eleito dos Estados Unidos, saiu imediatamente em defesa do funcionário. “Chris Krebs é um funcionário público extraordinário e o tipo de pessoa que os americanos desejam para proteger a segurança de nossas eleições.”

A agência em que Krebs trabalhava havia enfatizado em um comunicado divulgado na semana passada, assinado por outras organizações americanas, que não havia “nenhuma evidência de um sistema de votação ter apagado, perdido ou mudado as cédulas, ou ter sido hackeado de qualquer forma”.

Alguns republicanos, como o senador Richard Burr, defendem os resultados das eleições e têm criticado a reação de Trump desde 3 de novembro. Em relação a Krebs, Burr foi a público dizer que Krebs e sua equipe “trabalharam incansavelmente para fortalecer nossa infraestrutura eleitoral”.

No meio de mais esta crise, os democratas reclamam que o governo Trump não têm garantido uma transição de poder tranquila. Biden chegou a afirmar que o atual presidente causará mais mortes desnecessárias, devido à pandemia de Covid-19, por tentar resistir à passagem de poder.

Enquanto isso, o democrata prossegue os preparativos para tomar posse no dia 20 de janeiro de 2021. O presidente eleito promete um gabinete diverso e com mais mulheres.

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Rádio pública francesa que produz conteúdo em 18 línguas, inclusive português. Fundada em 1931, em Paris.

Compartilhar postagem