Mundo

Trump celebra fracasso de lei sobre crise migratória e promete deportação em massa

O magnata deseja explorar a imigração como uma fraqueza de Joe Biden na campanha eleitoral

O ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump deixa tribunal em Nova York, em 17 de janeiro de 2024. Foto: Charly Triballeau/AFP
Apoie Siga-nos no

O ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump comemorou, no sábado 10, o fracasso do projeto de lei que buscava abordar a crise migratória na fronteira com o México e prometeu, se eleito, realizar uma “operação massiva de deportação” em seu primeiro dia no cargo.

O abandono do projeto bipartidário nesta semana pelo Senado dos Estados Unidos escancarou o controle de Trump sobre o Partido Republicano, ao negar ao presidente Joe Biden uma vitória no controverso tema da imigração.

“Não esqueçamos que nesta semana tivemos outra grande vitória que deve ser celebrada por todos os conservadores. Esmagamos o desastroso projeto de lei de fronteira aberta do corrupto Joe Biden”, declarou Trump em um comício na Carolina do Sul. “Todo o grupo fez um ótimo trabalho no Congresso. Esmagamos.”

Sob pressão de Trump, que deseja explorar a imigração como uma fraqueza de Biden, os legisladores republicanos parecem determinados a bloquear qualquer reforma na fronteira até as eleições de novembro.

Trump declarou no sábado que deportar imigrantes seria uma de suas primeiras tarefas.

“No primeiro dia, acabarei com todas as políticas de fronteira aberta da administração Biden e iniciarei a maior operação de deportação nacional na história dos Estados Unidos. Não temos escolha”, prometeu.

O projeto de lei de fronteiras no Senado incluía ajuda para a Ucrânia e Israel, mas os republicanos rejeitaram a proposta na quarta-feira.

O Senado debate agora um pacote de ajuda externa que exclui o tema da fronteira.

O pacote de ajuda de 95 bilhões bilhões de dólares (472 bilhões de reais) que entrará em debate inclui assistência para Israel em sua guerra contra o Hamas e para Taiwan, aliado estratégico dos Estados Unidos. No entanto, a maior parte seria destinada à ajuda à Ucrânia para reabastecer seu arsenal esgotado na guerra com a Rússia.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.