Trump anuncia novas sanções ao Irã após ataque a petrolíferas sauditas

Donald Trump quer ter certeza da responsabilidade iraniana no ataque, mas já anunciou novas sanções contra Teerã

Trump anuncia novas sanções ao Irã após ataque a petrolíferas sauditas

Mundo

O presidente americano, Donald Trump, anunciou nesta quarta-feira 18 um endurecimento de suas sanções contra o Irã. A medida é vista como uma resposta aos ataques às instalações petrolíferas sauditas, que Washington atribui a Teerã. “Acabei de ordenar ao secretário do Tesouro que reforce substancialmente as sanções contra o Estado iraniano!”, escreveu o presidente dos Estados Unidos no Twitter.

Washington não deu detalhes sobre as novas sanções que pretende impor, mas as medidas se somam às restrições já impostas pelos norte-americanos à Teerã desde 2018, quando Trump se retirou do acordo nuclear firmado entre as autoridades iranianas e a comunidade internacional em 2015. Desde então, chefe da Casa Branca tenta restringir a indústria nuclear iraniana para fins civis por meio de uma campanha de “pressão máxima” de sanções econômicas.

As sanções sufocam a economia do Irã e irritam as autoridades do país. “A política de ‘máxima pressão’ contra a nação iraniana é inútil e a opinião de todas as autoridades da República Islâmica é que não haverá nenhuma negociação com os Estados Unidos, em nenhum nível”, declarou o aiatolá Ali Khamenei, na terça-feira 17.

Irã nega envolvimento no ataque

Apesar de evitar o diálogo direto sobre sua atividade nuclear, em uma mensagem enviada a Washington, o Irã negou que tenha tido qualquer envolvimento nos ataques que reduziram pela metade a produção de petróleo saudita. Embora o ataque tenha sido reivindicado pelos rebeldes huthis, os Estados Unidos estão certos de que o Irã está por trás do ataque.

Riad já afirmou que as armas utilizadas na ofensiva eram iranianas, mas até agora não acusou diretamente Teerã, seu grande rival regional. Já Trump tem se mostrado prudente e, mesmo se a administração americana avisou que não exclui a possibilidade de uma resposta militar, disse que pretende esperar para ter certeza da responsabilidade de Teerã.

O presidente enviou o secretário de Estado, Mike Pompeo, para Jidá, no oeste do reino saudita. O representante de Washington se encontra com o príncipe herdeiro, Mohamed Bin Salman, nesta quarta-feira, para “coordenar os esforços para combater a agressão iraniana na região”, segundo o Departamento de Estado americano.

*Com informações da AFP

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Rádio pública francesa que produz conteúdo em 18 línguas, inclusive português. Fundada em 1931, em Paris.

Compartilhar postagem