Mundo

Trump anuncia medidas contra coronavírus e volta a criticar China

O presidente dos Estados Unidos voltou a se referir à Covid-19 como ‘vírus chinês’

Presidente dos EUA, Donald Trunmp. Foto: AFP
Presidente dos EUA, Donald Trunmp. Foto: AFP

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse neste domingo 22 que ordenará a instalação de hospitais de campanha nos pontos do país mais atingidos pela pandemia do novo coronavírus, e disse estar um “pouco revoltado” com a China por conta da doença. “Deveriam ter nos informado”, declarou Trump.

“Estou um pouco revoltado com a China. Sou honesto com você … Por mais que goste do presidente Xi (Jinping) e por mais respeito e admiração que eu tenha pelo país”, revelou o dirigente americano.

Se a China tivesse anunciado a doença “três meses antes”, disse, “muitas vidas ao redor do mundo poderiam ter sido salvas”.

Além disso, o presidente dos Estados Unidos voltou a se referir à Covid-19 como “vírus chinês”, expressão que foi condenada como pejorativa pelo governo do gigante asiático, onde a doença foi detectada pela primeira vez em dezembro, na cidade de Wuhan.

Em relação aos hospitais de campanha, em seu encontro diário com a imprensa na Casa Branca, Trump destacou que eles acrescentarão um total de 4.000 leitos nas regiões americanas mas afetadas pela pandemia.

De acordo com o presidente, a Agência Federal de Gerenciamento de Emergências (Fema) vai instalar estas estações médicas nos estados de Nova York, Washington e Califórnia.

Em  Nova York e Washington serão quatro hospitais com um total de 1.000 leitos em cada estado, enquanto a Califórnia receberá 2.000 leitos com oito unidades médicas.  “Quero garantir aos americanos que estamos fazendo o nosso melhor todos os dias para enfrentar e derrotar esse terrível inimigo invisível”, afirmou.

“Estamos em guerra, em certo sentido, estamos em guerra”, acrescentou Trump.

Os Estados Unidos têm 32.783 casos confirmados da Covid-19, com 416 mortes, segundo dados da Universidade Johns Hopkins. O presidente destacou que aprovou um pedido para emitir uma grande declaração de desastre para o estado de Nova York, que concentra a  maioria dos casos da pandemia no território americano.

Além disso, acrescentou que havia aprovado um pedido semelhante para o estado de Washington e que “muito em breve” faria o mesmo pela Califórnia.

Em seu pronunciamento diário na Casa Branca sobre a Covid-19,  Trump esclareceu que o governo federal pagará pelo destacamento de soldados da Guarda Nacional nos três estados para ajudar a conter a propagação do vírus.

Também disse que o Corpo de Engenheiros do Exército americano ajudará a construir os hospitais de campanha em Nova York e que o navio hospital da marinha USNS Mercy  será enviado para Los Angeles.

Ao ser perguntado sobre medidas para reativar a primeira economia do mundo, paralisada pela pandemia, Donald Trump evitou fixar uma data.  “Não posso responder isso”, disse.

“O que creio é que teremos bons resultados e que o povo americano tem sido extraordinário”, acrescentou, ao se esquivar de falar sobre a retomada do crescimento da economia.

No Senado, a discussão sobre a proposta de um pacote de ajuda de até dois trilhões de dólares para estimular a economia diante da crise causada pela pandemia não avançou neste domingo,  pois não recebeu apoio dos democratas.

Apesar das intensas negociações entre republicanos, democratas e o governo Donald Trump, o texto não obteve os 60 votos necessários para aprovação.  Segundo os senadores da oposição, a proposta republicana fracassava em sua tentativa de ajudar milhões de americanos afetados pela atual crise.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!