Trump admite que reduziu testes para esconder casos de covid-19

Republicano retomou campanha pela reeleição no último sábado 20

Foto: Nicholas Kamm / AFP

Foto: Nicholas Kamm / AFP

Mundo

Em meio à pandemia do novo coronavírus, que já matou mais de 119.000 pessoas e infectou 2,2 milhões nos Estados Unidos, o presidente Donald Trump retomou sua campanha pela reeleição em Tulsa, Oklahoma, com um comício que contou com aglomerações e ausência de distanciamento social.

No Estado, os casos de covid-19 dispararam, mas o presidente minimizou o risco de que o evento pudesse gerar um surto de novos infectados.

Segundo a agência AFP, cerca de 19 mil pessoas compareceram à BOK Arena, onde o comício ocorreu. A maioria usava bonés e camisetas com o famoso lema “Make America Great Again”, e poucos portavam máscaras.

“Vocês são guerreiros”, disse Trump aos apoiadores. “A maioria silenciosa está mais forte do que nunca”, continuou o presidente.

No discurso, o republicano criticou o seu rival, o candidato democrata Joe Biden, culpou a China pelo coronavírus e reforçou o apelo pela “lei e ordem”.

Trump também defendeu seu plano de fechar as fronteiras e admitiu que pediu a redução de testes de covid-19.

“Os testes são uma faca de dois gumes porque quando você faz tantos testes, encontrará mais casos. Então eu disse ao meu povo, parem os testes, por favor”, discursou.

Com a repercussão da declaração, mais tarde a Casa Branca disse que a frase era uma brincadeira do presidente.

Para participar do comício, foi necessário comprometer-se a não processar a equipe eleitoral de Trump, mesmo que seja infectado no local.

(Com informações da AFP)

 

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem