…

Theresa May busca apoio para acordo do Brexit

Mundo

Depois de longas e penosas negociações, União Europeia (UE) e Reino Unido aparentam estar próximos de um acordo para a saída dos britânicos do bloco. Na noite da terça-feira 13, o gabinete da primeira-ministra Theresa May anunciou que os dois lados haviam se acertado sobre uma proposta de acordo.

O líder da bancada conservadora no Parlamento Europeu, Manfred Weber, confirmou a notícia em declarações à emissora alemã ARD. Mas ainda não houve uma confirmação da própria União Europeia. “As negociações entre a União Europeia e o Reino Unido sobre um acordo de saída continuam e não estão encerradas”, afirmou um porta-voz do ministro irlandês do Exterior, Simon Coveney.

Ainda assim, foi convocada para esta quarta-feira uma reunião especial dos 27 representantes dos Estados que permanecerão na UE. Diplomatas disseram que, na reunião, será debatido o projeto de acordo.

Leia também:
Um balde de água fria na relação entre EUA e Reino Unido
No Reino Unido, os danos da austeridade aumentam o risco de crises

A emissora irlandesa RTE noticiou, citando membros do governo da Irlanda, que o acordo alcançado evita o retorno de controles na fronteira entre a Irlanda e a província britânica da Irlanda do Norte. Essa era uma das questões centrais das negociações.

O acordo fechado pelos negociadores ainda precisa ser aprovado em Londres e em Bruxelas. Na capital britânica, May convocou uma reunião do gabinete de governo para esta quarta-feira, às 14h, para avaliar o projeto e decidir os próximos passos.

O governo, assim como o Partido Conservador, está dividido. Alguns parlamentares e membros do governo afirmam que o acordo deixará o Reino Unido acorrentado à União Europeia depois da saída do país do bloco. May e os defensores do pacto concordam que ele não é perfeito, mas argumentam que a outra opção é sair do bloco sem acordo, o que poderá causar enormes prejuízos para a economia britânica.

O ex-ministro do Exterior William Hague alertou que, se o acordo for rejeitado, o resultado podem ser novas eleições, um novo governo e um novo referendo. “Aí o Brexit poderá jamais acontecer“, afirmou.

Se o governo britânico aprovar o acordo, ainda faltará a aprovação da União Europeia e, depois, do Parlamento britânico. A saída do Reino Unido da União Europeia está marcada para 29 de março de 2019.

May fica no cargo

A primeira-ministra venceu nesta quarta 12 a votação no Parlamento e permanecerá no cargo. May enfrentou um voto de desconfiança sobre a liderança do seu partido, o Conservador, depois que mais de 48 correligionários apoiaram a medida. Mas, nesta quarta, foram 200 votos favoráveis à sua manutenção na liderança – e consequentemente como premiê – e 117 contra. Ela precisava de 159 votos para continuar.

DW_logo

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem