Mundo

Suspeito por tiros contra estudantes palestinos nos EUA deve responder por ‘crime de ódio’

“Foi um crime alimentado pelo ódio”, disseram as famílias em um comunicado

Estudantes palestinos foram baleados nos EUA. Foto: Reprodução/Redes Sociais
Apoie Siga-nos no

Um homem foi acusado nesta segunda-feira 27 de tentativa de assassinato no estado de Vermont, no nordeste dos Estados Unidos, por um ataque a tiros contra três estudantes universitários de ascendência palestina, em um incidente que as autoridades americanas estão considerando como “um crime motivado pelo ódio”.

A promotora do estado de Vermont, Sarah George, afirmou que ainda não havia evidências suficientes para fundamentar a acusação de crime de ódio contra o suspeito, identificado como Jason Eaton, de 48 anos, que foi preso no domingo.

Mas “quero ser clara”, disse George aos repórteres em Burlington, a cidade no nordeste dos Estados Unidos onde ocorreu o tiroteio. “Não há dúvida de que foi um ato de ódio.”

As evidências coletadas durante uma busca no apartamento de Eaton, bem como dados adicionais, “deram aos investigadores e promotores causa provável para acreditar que o senhor Eaton cometeu o ataque”, afirmou o chefe de polícia da cidade de Burlington, Jon Murad, em comunicado.

Porta-vozes da polícia haviam declarado anteriormente que o autor era “um homem branco que portava uma pistola”, que agiu sem dizer uma palavra e “disparou pelo menos quatro balas”.

O incidente ocorreu em meio a altas tensões e episódios de violência registrados em campi de universidades e em outras partes dos Estados Unidos, simultaneamente ao conflito entre Israel e o grupo islamista palestino Hamas.

Um comunicado policial indicou que duas das vítimas estão em condição estável e a terceira sofreu “ferimentos muito mais graves”. Dois são cidadãos dos Estados Unidos e outro tem residência legal no país.

Embora ainda não tenham chegado a uma conclusão sobre a motivação do atirador, foi confirmado que dois dos jovens usavam “keffiyehs”, o tradicional lenço de cabeça palestino preto e branco.

“Neste momento tão tenso, ninguém pode ver este incidente e não suspeitar que pode ter sido um crime motivado pelo ódio”, afirmou Murad em nota.

As três vítimas eram formadas na Ramallah Friends School, uma escola privada Quaker no território palestino da Cisjordânia, e agora frequentam diferentes universidades no nordeste dos Estados Unidos, de acordo com um comunicado de um porta-voz das famílias das vítimas.

“Como pais estamos devastados com a horrível notícia de que nossos filhos foram atacados e baleados… Fazemos um apelo às autoridades para que realizem um investigação exaustiva. Não ficaremos confortáveis até que o agressor seja levado à Justiça”, sustentou a nota.

“A violência e o ódio não têm lugar nos Estados Unidos. Ponto”, afirmou o presidente americano, Joe Biden, em um comunicado.

“Alimentado pelo ódio”

“Foi um crime alimentado pelo ódio”, disseram as famílias em um comunicado.

“Recebemos com satisfação a decisão das forças de ordem e do gabinete da procuradora-geral de Vermont de continuar a investigação e a apresentação de acusações por crimes de ódio”, acrescentaram na nota.

“Acreditamos que é provável que uma investigação completa prove que nossos filhos foram alvo de um ataque violento simplesmente por serem palestinos”.

O Comitê Árabe americano contra a Discriminação se pronunciou sobre o caso afirmando ter “razões para acreditar que este tiroteio ocorreu porque as vítimas são árabes”. Além disso, pediu às autoridades de Vermont que investiguem o ocorrido como um “crime de ódio”.

Bernie Sanders, senador de Vermont e ex-candidato presidencial do Partido Democrata classificou o ataque como “impactante e profundamente decepcionante”, acrescentando que “o ódio não tem lugar” nos Estados Unidos “nem em qualquer lugar do mundo”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.