Mundo

Suspeito de ataque contra primeiro-ministro da Eslováquia afirma ter agido por razões políticas

A condição de Robert Fico é “grave, mas estável”, segundo o hospital onde o político segue internado

O momento da prisão do poeta Juraj Cintula, de 71 anos, após o ataque a tiros contra Robert Fico. Foto: RTVS / AFP
Apoie Siga-nos no

O homem acusado de atirar no primeiro-ministro da Eslováquia, Robert Fico, declarou que atuou por discordar da política de governo e que não tinha a intenção de matá-lo, segundo um documento judicial obtido pela AFP nesta quinta-feira (23).

“Durante o interrogatório, ele afirmou que não concordava com a política do atual governo”, afirma uma decisão redigida pelo juiz Román Puchovski no sábado.

Fico foi atingido por quatro tiros na semana passada, quando cumprimentava apoiadores após uma reunião do governo em Handlova, cidade no centro da Eslováquia.

Após o ataque, o premiê foi submetido a duas cirurgias em um hospital da cidade de Banska Bystrica, onde segue internado.

Sua condição é “grave, mas estável”, segundo a unidade médica.

O agressor foi identificado pela imprensa eslovaca como o poeta Juraj Cintula, de 71 anos, e foi preso imediatamente pelos seguranças de Fico.

No sábado, um tribunal decidiu mantê-lo em prisão preventiva, após o Ministério Público acusá-lo de tentativa de homicídio premeditado.

O agressor condena a atual gestão pela abolição da Procuradoria Especial, pelos ataques à imprensa e pela interrupção da ajuda militar à Ucrânia, assim como sua política em relação à União Europeia.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo