Mundo

Suprema Corte dos EUA mantém temporariamente acesso integral a pílula abortiva

Juiz que assinou determinação foi autor da decisão revogou, no ano passado, o direito constitucional ao aborto

Manifestantes em protesto pelo direito ao aborto nos Estados Unidos. Foto: Alex Edelman / AFP
Apoie Siga-nos no

A Suprema Corte dos Estados Unidos decidiu manter temporariamente, na sexta-feira 14, o acesso integral a uma pílula abortiva amplamente utilizada no país, pondo em suspensão decisões de cortes inferiores sobre restrições ao uso do medicamento.

A mais alta instância judicial americana emitiu uma “suspensão administrativa”, congelando decisões de instâncias inferiores até a quarta-feira, de forma a permitir que as partes envolvidas no caso submetam seus argumentos.

A decisão dá tempo para a Suprema Corte decidir os próximos passos relacionados ao caso.

Assinado pelo juiz Samuel Alito, autor da decisão que, no ano passado, revogou o direito constitucional ao aborto, o adiamento pede que as partes apresentem seus argumentos até terça-feira.

“O que está em jogo nessa luta não poderiam ser maiores diante dos contínuos ataques à saúde das mulheres”, disse a porta-voz da Casa Branca, Karine Jean-Pierre, em um comunicado.

O presidente Joe Biden “continuará a lutar para restaurar as proteções de Roe v. Wade”, acrescentou ele no boletim, referindo-se à decisão que manteve o direito constitucional ao aborto por meio século.

O governo dos Estados Unidos havia apresentado, nesta sexta, um recurso de última hora à Suprema Corte solicitando sua intervenção urgente para preservar o acesso à pílula abortiva de amplo uso, em mais um capítulo de uma batalha judicial sobre os direitos reprodutivos.

Ao levar o tema à máxima instância judicial do país, o governo do democrata Joe Biden instou congelar as decisões recentes que proibiram ou impuseram limites ao uso do medicamentos mifepristona, cuja entrada em vigor estava programada para às 05h GMT de sábado (2h no horário de Brasília).

“As ordens dos tribunais inferiores mudaram o status quo e alteraram o complexo regime regulatório que rege a mifepristona”, disse a procuradora-geral, Elizabeth Prelogar, em um documento de 47 páginas. “Esse resultado perturbador prejudicaria profundamente as mulheres, o sistema de saúde da nação, a FDA (a agência americana reguladora de medicamentos) e o interesse público”, acrescentou.

Combinada com outro medicamento, a mifepristona é usada em mais da metade dos abortos nos Estados Unidos, e mais de cinco milhões de mulheres americanas já a tomaram desde sua autorização por parte da FDA, há mais de duas décadas.

A saga judicial começou na semana passada. Um juiz federal no Texas, Matthew Kacsmaryk, ordenou em 7 de abril a proibição nacional da mifepristona em resposta a um pedido de uma coalizão de grupos antiaborto que desafiou a aprovação do medicamento por parte da FDA em 2000.

Em 12 de abril, a Corte de Apelações do Quinto Circuito dos Estados Unidos revogou parcialmente a decisão de Kacsmaryk: disse que a mifepristona, também conhecida como RU 486, deveria permanecer disponível temporariamente à espera de uma decisão definitiva. Porém limitou o acesso às primeiras sete semanas de gravidez, no lugar de dez, e bloqueou a possibilidade de distribui-la por correio.

Agora, o Departamento de Justiça disse que a decisão inicial de Kacsmaryk, um juiz nomeado pelo ex-presidente republicano Donald Trump, se baseou em uma “avaliação profundamente equivocada da segurança da mifepristona” e também discordou da decisão do Quinto Circuito.

Em seu recurso, o governo pediu à Suprema Corte, onde os conservadores têm maioria de 6-3, uma “suspensão” da sentença do Quinto Circuito “para preservar o status quo“, à espera de um estudo aprofundado do caso.

“Limbo insustentável”

Uma das duas empresas que comercializam mifepristona nos Estados Unidos, o laboratório Danco, também pediu a intervenção da Suprema Corte, advertindo para o risco de criar um “caos regulatório em todo el país”.

A empresa indicou também que, em 7 de abril, outro tribunal federal, no estado de Washington, determinou que deve ser mantido o acesso à mifepristona, em resposta a um demanda de 17 estados americanos governados por democratas.

“O resultado é um limbo insustentável para o Danco, para os fornecedores, para as mulheres e para os sistemas de atenção médica”, declarou o laboratório.

“Diante da incerteza, é possível que o Danco se veja obrigado a parar suas operações”, disse a empresa com sede em Nova York.

Mais de dez estados do país aprovaram leis que proíbem ou restringem drasticamente o aborto desde que a Suprema Corte anulou, em junho de 2022, a histórica decisão Roe vs. Wade que havia consagrado o direito constitucional ao aborto há quase meio século.

Desde a revogação, os estados têm liberdade para legislar sobre o tema.

O caso mais recente foi a Flórida, um dos estados mais populosos dos Estados Unidos, onde o governador republicano Ron DeSantis promulgou nesta quinta-feira uma lei que proíbe a maioria dos abortos depois de seis semanas, quando muitas mulheres ainda não sabem que estão grávidas.

Atualmente, o aborto está proibido em 15 estados do país. No entanto, existem opções para as mulheres: as organizações se mobilizam para fornecer pílulas abortivas do exterior ou de outros estados e também são vendidas online.

Para os estados onde o aborto permanece legal, caso o acesso à pílula abortiva seja restrito, as mulheres ainda têm a alternativa de um aborto por aspiração, um procedimento mais difícil e que requer ir até uma clínica.

Alguns médicos avaliam continuar propondo abortos usando apenas o segundo medicamento, o misoprostol. Porém, este método tem uma taxa de efetividade ligeiramente mais baixa e mais efeitos colaterais (cólicas severas, por exemplo) que a combinação entre misoprostol e mifepristona.

Uma clara maioria de americanos apoia a manutenção do acesso a abortos seguros, segundo repetidas pesquisas de opinião pública.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo