Rússia quer impedir intervenção na Venezuela

Presidente do Senado russo afirma que Moscou fará tudo para evitar que EUA intervenham militarmente no país sul-americano

Juan Guaidó no Palácio do Planalto. Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

Juan Guaidó no Palácio do Planalto. Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

Mundo

Moscou fará “tudo que estiver a seu alcance” para impedir uma intervenção militar dos EUA na Venezuela, afirmou neste domingo 3 a presidente do Conselho da Federação, a câmara alta do Parlamento da Rússia, Valentina Matvienko, durante encontro com a vice-presidente da Venezuela, Delcy Rodríguez.

“Em grande parte, nos preocupa que os Estados Unidos possam realizar qualquer provocação para causar derramamento de sangue e encontrar, assim, uma desculpa e um motivo para intervirem na Venezuela. Mas nós faremos o possível para que isso não ocorra”, disse Matvienko, segundo a agência russa Interfax.

Matvienko ressaltou que “é especialmente cínica” a atitude dos EUA, “um país que se posiciona no mundo como defensor da democracia”.

A presidente do Conselho – órgão legislativo equivalente ao Senado – qualificou de “grosseira violação do direito internacional e dos estatutos da ONU” as tentativas de “derrubar ilegalmente o atual presidente” e “a nomeação como chefe do país de um político opositor no exterior”.

Leia também: Impasse entre EUA e Rússia deixa ONU dividida sobre crise na Venezuela

“Tudo isso se soma às ameaças de intervenção militar. A Rússia fez o possível, e seguirá fazendo no futuro, para impedir tal evolução dos eventos”, disse a legisladora.

O líder opositor venezuelano, Juan Guaidó, reconhecido como presidente interino da Venezuela por mais de 50 países, anunciou mais protestos em massa em todo o país durante o Carnaval. Ele pediu que os funcionários públicos protestem na segunda e terça-feira, noticiou no sábado o jornal El Nacional.

Guaidó afirmou que retornará à Venezuela para participar das manifestações, durante entrevista coletiva com o presidente equatoriano Lenín Moreno, na localidade equatoriana de Salinas. O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, ameaçou prender Guaidó, acusando-o de não ter respeitado uma proibição judicial de deixar o país.

Leia também: Os altos riscos de uma intervenção militar na Venezuela

Devido à ameaça, o possível retorno de Guaidó tem sido visto com preocupação por observadores internacionais. Ele viajou para a Colômbia há uma semana, tendo desde então têm se encontrado com chefes de Estado em vários países da América do Sul, incluindo Brasil e Argentina.

A União Europeia alertou contra a prisão de Guaidó e ameaçou com consequências. “Qualquer medida que comprometa a liberdade, segurança ou integridade pessoal de Guaidó irá gerar um acirramento das tensões e será condenada com firmeza pela comunidade internacional”, advertiu na noite de sábado a chefe de política externa da UE, Federica Mogherini, em nome dos Estados-membros do bloco.

MD/epd/dpa/efe

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas.

Compartilhar postagem