Queimadas na Amazônia ganham repercussão na imprensa internacional

A hashtag #PrayforAmazonas ocupa o primeiro lugar nos trending topics mundiais

Amazônia em chamas. José Cruz/Agência Brasil

Amazônia em chamas. José Cruz/Agência Brasil

Mundo

Um dos assuntos mais comentados no Twitter nesta quarta-feira 21 é a Amazônia. A região que concentra a maior floresta tropical do mundo está passando por uma crise decorrente das diversas queimadas que estão destruindo a mata. A hashtag #PrayforAmazonas ocupa o primeiro lugar nos trending topics mundiais.

Seria comum a intensificação das queimadas nesta época do ano? A resposta é não. De janeiro a agosto, as queimadas na Amazônia brasileira dobraram em relação ao mesmo período do ano passado.

Em 2019, mais de 53 mil focos foram registrados no Norte do País e em parte do Maranhão. Em 2018, esse número foi de 26,5 mil. Os dados são do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Além disso, as queimadas na região seguem tão intensas que as cinzas chegaram até a cidade de São Paulo e encobriram o céu da capital na segunda-feira 19. Por volta das 15 horas, já era noite na maior metrópole brasileira. Meteorologistas confirmaram que uma frente fria em união a um corredor de fumaça, causado pelas queimadas que estão ocorrendo na região amazônica, no Paraguai e na Bolívia, foram os causadores do fenômeno.

Tanto o presidente Jair Bolsonaro quanto o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Sales, relativizaram a gravidade do fato. Bolsonaro culpou as ONGs que perderam investimento federal de estarem colocando fogo propositalmente para prejudicar o governo, e o ministro afirmou que tudo não passa de fake news e que as matérias sobre as queimadas são sensacionalistas.

Tanto as queimadas quanto as diretrizes tomadas sobre o assunto ganharam as manchetes dos principais portais de notícia do mundo. “Amazônia queima de forma recorde” noticia a CNN espanhola.

O jornal americano The Washigton Post noticiou o que aconteceu na cidade de São Paulo e ligou o fato aos incêndios da Amazônia. “Fumaça mergulha São Paulo na escuridão repentina, frustrando a maior cidade do hemisfério ocidental“, escreveu o jornal. 

Incêndios florestais estão queimando ao redor do mundo. O mais alarmante é na floresta amazônica“, escreveu o portal de notícias americano Vox. O site traz dados que mostram o aumento das queimadas neste ano e cita o descaso de Bolsonaro com o assunto. “Este desmatamento tem importantes consequências regionais”, escreve o Vox.

Na Alemanha, diversos jornais noticiaram o que está acontecendo com a floresta amazônica. A Deutsche Welle fez um levantamento com toda a repercussão do caso no país comandando por Angela Merkel, que recentemente decidiu suspender o repasse de recursos para o Fundo Amazônia por ser contra as políticas adotadas por Jair Bolsonaro.

Greenpeace protesta contra Bolsonaro

Além da repercussão da imprensa internacional, as queimadas repercutiram entre os órgãos ambientais. A entidade ambiental Greenpeace pede que os deputados europeus vetem o acordo comercial entre a União Europeia e os países do Mercosul.

A operação dos ambientalistas reforça a onda de contestação que afeta o tratado, desde que foi concluído em junho, e diante da proliferação de críticas de Jair Bolsonaro aos governos europeus por temas climáticos.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem