Mundo

Quatro professores americanos são esfaqueados no nordeste da China

Vítimas trabalhavam na universidade Cornell College, do estado de Iowa, nos EUA, e participavam em um intercâmbio acadêmico no país asiático

Portal em Beishan Park, na cidade de Jilin, no nordeste da China. Foto: BoyuZhang1998/Wikimedia Commons
Apoie Siga-nos no

Quatro professores universitários americanos que trabalhavam na China foram esfaqueados em um parque público, uma agressão que o Ministério das Relações Exteriores do país asiático chamou de incidente “isolado”.

A universidade Cornell College, do estado de Iowa, informou na segunda-feira que os quatro americanos trabalhavam como professores da instituição e participavam em um intercâmbio acadêmico na China.

O Departamento de Estado americano afirmou que estava “a par de informações sobre uma agressão com arma branca em Jilin”, cidade do nordeste da China, na província de mesmo nome.

O Ministério das Relações Exteriores da China confirmou nesta terça-feira que “quatro professores estrangeiros (…) foram atacados quando caminhavam no Parque Beishan, em Jilin.”

“A polícia considerou, de forma preliminar, que foi um caso isolado. Outras investigações estão em curso”, afirmou o porta-voz do ministério, Lin Jian.

As agressões contra cidadãos estrangeiros, em particular ocidentais, são raras na China, onde as ruas são geralmente consideradas muito seguras e o número de ataques é muito menor do que nos Estados Unidos ou na Europa.

O porta-voz da diplomacia afirmou que “a China é geralmente reconhecida como um dos países mais seguros do mundo” e garantiu que as autoridades continuarão adotando “as medidas adequadas para proteger a segurança de todos os estrangeiros”.

Também afirmou que o “caso isolado não afetará o desenvolvimento normal das interações entre os povos da China e dos Estados Unidos”.

A congressista por Iowa Ashley Hinson afirmou na rede social X que estava “horrorizada” e que os professores foram “brutalmente esfaqueados”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo