Mundo

Putin diz que atentado em Moscou foi obra de ‘islamistas radicais’ que tentaram fugir à Ucrânia

O governo de Kiev e os países ocidentais negaram reiteradamente qualquer participação da Ucrânia no ataque

Foto por Alexander NEMENOV / AFP
Apoie Siga-nos no

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, afirmou, nesta segunda-feira 25, que o atentado em uma casa de espetáculos perto de Moscou, reivindicado pelo grupo Estado Islâmico, foi cometido por “islamistas radicais” que, segundo ele, tentaram depois fugir para a Ucrânia.

“Sabemos que este crime foi cometido por islamistas radicais com uma ideologia contrária ao que o mundo islâmico vem lutando durante séculos”, disse Putin em uma reunião do governo, transmitida na televisão.

“Sabemos quem cometeu esta atrocidade contra a Rússia e sua gente. O que nos interessa é o patrocinador”, acrescentou.

O líder russo voltou a afirmar que os agressores, após o ataque de sexta-feira, no qual morreram pelo menos 137 pessoas, tentaram fugir para território ucraniano.

“É importante responder à pergunta de por que os terroristas, depois de seu crime, tentaram ir para a Ucrânia. Quem os esperava lá? Aqueles que apoiam o regime de Kiev não querem ser cúmplices do terror e partidários do terrorismo, mas surgem muitas perguntas”, afirmou.

No fim de semana, Putin e seus serviços de segurança não mencionaram a participação jihadista e falaram da conexão com a Ucrânia.

O governo de Kiev e os países ocidentais negaram reiteradamente qualquer participação da Ucrânia no ataque.

No entanto, na noite desta segunda, Putin voltou a insinuar que poderia ter alguma relação com Kiev. “De imediato, nos perguntamos: quem se beneficia disto? Esta atrocidade pode ser um novo vínculo com quem, desde 2014, esteve lutando contra o nosso país por meio do regime neonazista em Kiev”, frisou.

“E os nazistas, todos sabem, nunca se esquivaram de usar os métodos mais sujos e desumanos para atingir seus objetivos.”

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo