Mundo

Presidente da Nicarágua afirma que seu irmão cometeu ato de ‘traição à pátria’ em 1992

Humberto Ortega teria traído a Nicarágua ao conceder uma medalha de honra a um militar dos Estados Unidos. Além de ‘traição’, o ato foi classificado como ‘vergonha nacional entreguista’

Humberto Ortega. Foto: AFP
Apoie Siga-nos no

O presidente da Nicarágua, Daniel Ortega, afirmou na terça-feira que seu irmão e ex-comandante do Exército, Humberto Ortega, que segundo opositores no exílio está em prisão domiciliar, cometeu um ato de “traição à pátria” ao condecorar um militar dos Estados Unidos em 1992.

Ao fazer referência a Humberto Ortega como “o comandante do Exército na época”, sem citar o seu nome, o presidente nicaraguense chamou a condecoração de “ato de entreguismo” e “vergonha nacional”.

“Esta ação inconcebível é qualificada como vergonha nacional ao conceder a um militar ianque uma medalha de tanta relevância e significado. Evidentemente, constitui um ato de entreguismo e traição à pátria”, disse Ortega.

A declaração aconteceu uma semana após a polícia nicaraguense ter instalado uma unidade médica na casa de Humberto Ortega, crítico do governo, uma medida interpretada como prisão domiciliar por opositores no exílio.

A medida foi anunciada pela polícia nicaraguense em um comunicado alguns dias após o ex-comandante do Exército ter afirmado em uma entrevista à imprensa que Daniel Ortega, 78 anos, não tem sucessores e seu poder não resistirá a seu falecimento.

O governo Ortega retirou a nacionalidade de mais de 300 opositores e críticos de seu governo, enviados para o exílio, acusados de “traidores” e de “vender a pátria”.

Uma reforma da Constituição, aprovada em fevereiro de 2023 e ratificada este ano, estabeleceu que as pessoas condenadas por crimes de “traição à pátria” perderão a nacionalidade nicaraguense.

O general reformado Humberto Ortega, comandante do Exército de 1979 a 1995, concedeu em 1992 ao adido militar americano Dennis Quinn em 1992 a medalha “Camillo Ortega”, que tem o nome do irmão mais novo da família, que morreu na luta contra o ditador Anastasio Somoza em 1978.

Segundo o presidente Ortega, “o comandante do Exército da época cometeu o sacrilégio de conceder a ordem” ao americano, que segundo informações da época foi uma atitude em reconhecimento a uma relação de respeito.

“O comandante do Exército já tinha entregado sua alma ao diabo” na década de 1990″, acrescentou, ao anular a condecoração por um decreto que leu durante um evento em Manágua.

Os irmãos Ortega estão afastados por divergências políticas desde a década de 1990.

Os dois integraram a guerrilha sandinista que lutou contra a ditadura de Anastasio Somoza, último líder de uma dinastia que governou o país com mão de ferro durante quatro décadas. Após o triunfo da revolução em 1979, Humberto Ortega virou comandante do Exército Popular Sandinista, enquanto Daniel assumiu o comando do governo, primeiro à frente de uma junta e depois de maneira isolada.

Humberto continuou à frente da instituição militar – que mudou o nome para Exército da Nicarágua – até 1995, após a derrota eleitoral de Daniel em 1990 para Violeta Barrios de Chamorro, que governou durante quase sete anos.

Daniel Ortega retornou ao poder em 2007 e foi reeleito em vários pleitos questionados pela comunidade internacional. Sua esposa é a influente vice-presidente Rosario Murillo.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo