Mundo

Presidente da Interpol é alvo de denúncia na Áustria por ‘tortura’

Hedges, professor da Universidade de Exeter, no sudoeste da Inglaterra, foi detido após concluir uma viagem de estudos

A Igreja de São Miguel, em Viena, professa uma fé tranquila
Apoie Siga-nos no

Uma denúncia por “tortura” e “detenção arbitrária” foi apresentada na Áustria contra o presidente da Interpol, o emiradense Ahmed Nasser al-Raisi, que deve participar da assembleia-geral da organização internacional de polícia em Viena, segundo o advogado de dois britânicos.

“Esperamos que as autoridades austríacas investiguem estas graves acusações”, declarou Rodney Dixon, citado em um comunicado.

O procedimento é amparado na “jurisdição universal”, um princípio que permite às autoridades processar um suspeito que viajar ao país.

A denúncia se deve à detenção do pesquisador Matthew Hedges e do agente de segurança Ali Issa Ahmad, em 2018 e 2019 respectivamente, nos Emirados Árabes Unidos. Ambos consideram que Raisi, que é também inspetor-geral do Ministério do Interior dos Emirados Árabes, foi responsável por seu destino.

Hedges, professor da Universidade de Exeter, no sudoeste da Inglaterra, contou no ano passado à AFP que foi detido após concluir uma viagem de estudos.

Ele descreveu os sete meses de prisão como “apavorantes”, a maior parte em regime de isolamento, com “ameaças de violência” para lhe fazer confessar seu suposto pertencimento aos serviços de inteligência britânicos.

Após uma confissão forçada, afirma, foi condenado à prisão perpétua por espionagem em novembro de 2018. Porém, menos de uma semana depois foi indultado, graças à pressão internacional.

Já Ali Issa Ahmad afirma que foi detido por vestir uma camiseta em apoio ao Catar, então confrontado pelos Emirados Árabes Unidos, durante a Copa das Nações da Ásia. Durante sua detenção de três semanas, afirma ter recebido socos e facadas.

O caso envolve também a França, onde fica a sede da Interpol. O país iniciou uma investigação contra ele em março de 2022 por “participação em torturas”.

Os autores também iniciaram procedimentos penais na Noruega, Suécia e Turquia.

Nem o Ministério Público de Viena nem a embaixada dos Emirados Árabes Unidos na capital austríaca responderam até o momento às perguntas da AFP.

Al Raisi foi eleito presidente da Interpol em novembro de 2021, apesar dos protestos de organizações de direitos humanos.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.