Mundo

Presidente argentino anuncia fechamento da agência de notícias Télam

Empresa conta com mais de 700 funcionários, entre administradores, jornalistas e fotógrafos

O presidente da Argentina, Javier Milei. Foto: Juan Mabromata/AFP
Apoie Siga-nos no

O presidente argentino, Javier Milei, anunciou na sexta-feira 1º o fechamento da agência estatal de notícias Télam, no seu discurso de abertura das sessões extraordinárias perante a Assembleia Legislativa.

“Vamos fechar a agência Télam, que tem sido usada nas últimas décadas como agência de propaganda kirchnerista”, disse o presidente, referindo-se à ex-presidente Cristina Kirchner.

O presidente não deu detalhes sobre o processo de fechamento do veículo criado há 78 anos.

No início de fevereiro, o governo ultraliberal havia decretado a intervenção, pelo período de um ano, de todos os veículos de comunicação estatais para “modificar a estrutura orgânica e funcional”.

A medida incluiu a rádio e televisão pública, a agência Télam, o portal educativo Educ.ar, o Polo de Produção Audiovisual e o Banco Audiovisual de Conteúdos Universais Argentino (Bacua).

O serviço de notícias da agência Télam conta com mais de 700 funcionários, entre administradores, jornalistas e fotógrafos.

Em 2018, passou por um traumático processo de redução de pessoal com a demissão de 357 trabalhadores, alguns deles reintegrados posteriormente por ordem judicial.

Conforme explica em seu site, a agência de notícias “é a única do país com uma rede de correspondentes em todas as províncias argentinas”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo