Mundo

Premiê da Holanda pede desculpas pelo histórico de escravidão do país

‘Faltaram responsabilização e prestação de contas’, declarou Armand Zunder, presidente da Comissão Nacional de Reparações do Suriname

O premiê holandês, Mark Rutte, durante seu discurso em Haia. Foto: Robin van Lonkhuijsen/ANP/AFP
Apoie Siga-nos no

O primeiro-ministro da Holanda, Mark Rutte, apresentou um pedido de desculpas em nome do governo de seu país por seu papel na escravidão, que ele classificou de crime contra a humanidade.

“Hoje me desculpo em nome do governo holandês pelas ações do Estado no passado”, disse Rutte nesta segunda-feira 19 durante um discurso em Haia. O pronunciamento sobre a participação da Holanda nos 250 anos de escravidão nas ex-colônias era bastante aguardado.

Rutte também pronunciou as desculpas em inglês, papiamento e surinamês, línguas faladas nas ilhas do Caribe e no Suriname.

“Nós, vivendo aqui e agora, somente podemos reconhecer e condenar a escravidão nos termos mais claros como um crime contra a humanidade.”

Ao mesmo tempo em que Rutte proferia seu discurso em Haia, vários de seus ministros estiveram presentes nas ex-colônias de Bonaire, São Martinho, Aruba, Curaçao, Saba, Santo Eustáquio e Suriname, para “discutir” o tema com os habitantes locais.

Após o discurso, houve reações emocionais entre os presentes na sala. Alguns se abraçaram.

Mas a data escolhida pelo governo para se desculpar, que vazou para a imprensa holandesa em novembro, provocou uma polêmica feroz no país e no exterior durante várias semanas.

As organizações de memória contra a escravidão queriam as desculpas em 1º de julho, data em que é lembrado o fim da escravidão em uma celebração anual chamada Keti Koti (Quebrar as correntes) no Suriname.

O pronunciamento causou controvérsia com alguns grupos e países atingidos, que, enquanto exigem uma compensação, consideram que a medida foi apressada e dizem que a falta de consulta por parte da Holanda soa como uma atitude colonial.

“O que faltou completamente no discurso foram responsabilização e prestação de contas”, declarou à AFP Armand Zunder, presidente da Comissão Nacional de Reparações do Suriname.

Era de ouro

A escravidão ajudou a financiar a “Idade de Ouro” holandesa, um período de prosperidade devido ao comércio marítimo nos séculos XVI e XVII. O país traficava cerca de 600 mil africanos, principalmente para a América do Sul e o Caribe.

No apogeu de seu império colonial, as Províncias Unidas, conhecidas atualmente como Países Baixos, tinham colônias como Suriname, a ilha caribenha de Curaçao, África do Sul e Indonésia, onde a Companhia Holandesa das Índias Orientais tinha sua sede no século XVIII.

Nos últimos anos, a Holanda começou a lidar com seu papel no tráfico de escravos e sua história colonial, sem a qual as cidades holandesas e seus famosos museus, repletos de obras de arte de Rembrandt e Vermeer, não seriam os mesmos.

Com o movimento Black Lives Matter nos Estados Unidos, o debate voltou à tona na Holanda, onde o racismo continua sendo um sofrimento para os cidadãos das antigas colônias.

As cidades de Amsterdã, Roterdã, Utrecht e Haia já se desculparam por seu papel no tráfico negreiro.

Rutte, no entanto, se mostrou reticente por muito tempo sobre fazer um pedido de desculpas, ao afirmar no passado que a era da escravidão tinha ficado para trás e que uma desculpa traria de volta as tensões em um país onde a extrema-direita segue sendo forte.

Uma pesquisa recente indicou que apenas 38% da população adulta era favorável a um pedido de desculpas.

A escravidão foi abolida no Suriname e em outros territórios controlados pela Holanda em 1º de julho de 1863, mas não terminou antes de 1873, depois de um período de “transição” de 10 anos.

A primeira-ministra de São Martinho, Silveria Jacobs, disse aos meios de comunicação holandeses no sábado que a ilha não aceitaria as desculpas se elas fossem apresentadas nesta segunda.

Em Aruba, a primeira-ministra Evelyn Wever-Croes disse à agência de notícias ANP que a ilha aceitou as desculpas, mas enfatizou que isso é apenas “um primeiro passo”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo