Mundo

Prefeito de Nova York chama Bolsonaro de “ser humano perigoso”

Bill de Blasio pediu que Museu de História Natural dos EUA cancele evento que homenageia o presidente como a “personalidade do ano”

Bill de Blasio, prefeito de Nova York. Foto: Michael Appleton/Mayoral Photography Office
Bill de Blasio, prefeito de Nova York. Foto: Michael Appleton/Mayoral Photography Office

O democrata Bill de Blasio, prefeito de Nova York, chamou na sexta-feira 12 o presidente Jair Bolsonaro (PSL) de “um ser humano muito perigoso” durante uma entrevista a uma rádio local, além de destacar o “racismo evidente” e a “homofobia” do líder brasileiro. 

Blasio ainda pediu que o Museu de História Natural dos Estados Unidos cancele um evento da Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos que acontecerá na instituição, no qual Bolsonaro será homenageado como a “personalidade do ano”. “

“Acredito na Primeira Emenda (que garante a liberdade de expressão), mas se falamos de uma instituição apoiada com fundos públicos e falamos de alguém que está fazendo algo tangivelmente destrutivo, estou desconfortável com isto”, disse o prefeito em relação ao evento.

“Eu certamente pediria ao museu que não permitisse que ele fosse recebido lá”, completou.

Foto: Marcos Corrêa/PR

O museu aluga alguns de seus espaços para eventos como forma de incrementar a sua receita. O jantar de gala da Câmara de Comércio Brasil-Estados Unidos acontecerá em 14 de maio. 

Devido à pressão pública de ambientalistas, que questionam as políticas públicas de Bolsonaro para a Amazônia, o museu chegou a dizer que “estava profundamente preocupado” e avaliava se o evento ocorreria.

Mas segundo o jornal New York Post, a instituição disse na sexta-feira que o “evento é externo e privado, e não reflete de maneira alguma a posição do museu de que há uma necessidade urgente de se conservar a floresta amazônica”.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!