Preço do petróleo americano despenca ao menor nível da história

Comerciantes nos EUA estão preocupados com a capacidade dos EUA em armazenar petróleo, em meio à pandemia

Refinaria no Texas, Estados Unidos. Foto: Loren ELLIOTT/AFP

Refinaria no Texas, Estados Unidos. Foto: Loren ELLIOTT/AFP

Mundo

O preço do petróleo americano teve queda histórica nesta segunda-feira 20 e passou a operar a menos de zero pela primeira vez. Por volta das 17h04, o barril americano West Texas Intermediate (WTI) perdia 291% e estava negociado a -35 dólares, segundo atualização do jornal The New York Times. No início do ano, a unidade era negociada a 60 dólares.

De acordo com o veículo americano, os preços caíram porque a pandemia do novo coronavírus aumentou o armazenamento de petróleo nos tanques estadunidenses. A commodity já está sendo armazenada em barcaças no mar e em outras instalações, mas comerciantes do país estão preocupados de que este espaço esteja acabando.

Conforme noticiou a agência Bloomberg, há tanto óleo não utilizado que as empresas ficam sem espaço para armazená-lo e os vendedores passaram a pagar para que os compradores tirem o material de suas mãos.

Em um mercado saturado, os detentores de contrato de maio – que expiram na terça-feira no fechamento – devem encontrar compradores de óleo o mais rápido possível, explica a AFP.

Os preços do petróleo vêm caindo desde o início do ano, não só pela pandemia de coronavírus, mas também pela quebra no acordo original da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep).

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem