Mundo

Partido de extrema-direita da Alemanha é excluído de grupo no Parlamento Europeu

A extrema-direita no Parlamento Europeu está dividida em dois blocos: o grupo pró-UE Conservadores e Reformistas e o Grupo ID

O AfD, partido de extrema-direita da Alemanha, é um dos replicadores de fake news na Europa. Foto: JENS SCHLUETER / AFP
Apoie Siga-nos no

Os nove membros do partido de extrema-direita alemão Alternativa para a Alemanha (AfD) foram excluídos nesta quinta-feira 23 do Grupo Identidade e Democracia (ID) no Parlamento Europeu, após escândalos envolvendo uma figura importante, anunciaram membros do grupo parlamentar.

A extrema-direita no Parlamento Europeu está dividida em dois blocos: o grupo pró-UE Conservadores e Reformistas (ECR) e o Grupo ID.

“O grupo ID não quer mais ser associado aos incidentes envolvendo Maximilian Krah, chefe da lista da AfD para as eleições europeias”, disse a Lega italiana, que representa o maior grupo de legisladores da bancada de extrema-direita, em um comunicado.

As “declarações inadmissíveis” de Maximilian Krah “em nossa opinião comprometem a AfD”, disse à AFP o deputado francês Jean Paul Garraud, do Reagrupamento Nacional (RN).

Os comentários de Krah ao jornal italiano La Reppublica foram o estopim do debate, pois Krah afirmou que um membro da organização nazista SS “não é automaticamente um criminoso”.

Isso fez com que o principal partido de extrema-direita da França, o RN, anunciasse que não formará mais um grupo com o AfD no Parlamento Europeu.

“A última coisa de que precisamos agora é de um debate sobre mim. É por isso que estou renunciando a partir de hoje a fazer qualquer aparição na campanha eleitoral e estou renunciando ao meu cargo de membro do gabinete federal”, escreveu Krah no site de rede social X na quarta-feira.

No entanto, ele continuará a ser o líder da lista da AfD para as eleições europeias, já que é tarde demais para substituí-lo.

Esta não é a primeira vez que Krah causa polêmica. O Judiciário alemão abriu uma investigação preliminar sobre suspeitas de financiamento russo e chinês. Além disso, um de seus assistentes no Parlamento Europeu foi preso em abril, acusado de ser um agente chinês.

A AfD está com 15% das intenções de voto para as eleições europeias, oscilando entre o segundo e o terceiro lugares, depois de atingir 23% no final de 2023. Mas continua em um nível melhor do que nas eleições de 2019, quando obteve 11% dos votos.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo