Mundo

Parlamento do Bahrein anuncia suspensão das relações comerciais com Israel

A chancelaria israelense indicou que até o momento não foi informada de nenhuma decisão por parte do país

O presidente palestino Mahmud Abbas ao lado do ministro das Relações Exteriores do Bahrein Abdullatif al-Zayani. Créditos: PPO / AFP
Apoie Siga-nos no

A Câmara Baixa do Parlamento do Bahrein anunciou, nesta quinta-feira 2, a suspensão das relações econômicas com Israel e a retirada de seu embaixador, em reação à campanha militar israelense contra a Faixa de Gaza, um território palestino.

O Centro Nacional de Comunicação (CNC), um organismo governamental, confirmou o retorno dos embaixadores dos dois países “há algum tempo”, sem mencionar a situação das relações comerciais.

A chancelaria israelense indicou que até o momento não foi informada de nenhuma decisão por parte desse reino do Golfo, aliado dos Estados Unidos, que estabeleceu relações diplomáticas com Israel em 2020.

“O Conselho de Representantes (Câmara Baixa) confirma que o embaixador israelense ante o reino do Bahrein deixou o Bahrein e o reino do Bahrein decidiu convocar o embaixador bahreinita em Israel”, indica um comunicado.

“As relações econômicas com Israel também foram suspensas”, acrescenta o comunicado desse órgão legislativo.

Essa decisão foi adotada “em apoio à causa palestina e aos legítimos direitos do povo irmão palestino”, prossegue.

O primeiro vice-presidente do Parlamento, Abdelnabi Salman, confirmou a decisão à AFP, afirmando que a guerra em Gaza “não pode tolerar o silêncio”.

“A prioridade atual é a proteção da vida dos civis” em Gaza, estimou, por sua vez, o CNC.

O estabelecimento de relações diplomáticas plenas entre Israel e o Bahrein deu-se no âmbito dos Acordos de Abraão, pelos quais também Marrocos e Emirados Árabes Unidos reconheceram o Estado israelense.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo